2019-11-25

CLOUD

Advertorial

Workloads críticos movem-se cada vez mais para a cloud

Cerca de 80% de todos os workloads empresariais e mission-critical vão mover-se para a cloud. Atualmente, quase todas as empresas consomem recursos de clouds públicas nas suas operações diárias

Estamos numa era de coexistência entre data centers privados, ambientes de cloud gerida e clouds públicas self-service. Atualmente, as empresas consomem quase universalmente os recursos da cloud pública e as cargas de trabalho de missão crítica são uma parte crescente deste consumo. 

Aplicações mission-critical não podem sofrer nenhum tempo de inatividade e estão a deixar o data center corporativo para trás. Essa mudança é inexorável e é cada vez mais uma parte importante da conversa sobre o avanço da IT corporativa em termos de eficiência e confiabilidade. 

A migração de aplicações e cargas de trabalho de todos os cantos de IT corporativo criou procura por uma nova geração de ferramentas de integração e migração que podem facilitar o caminho da empresa para a cloud. Quando as empresas consideram mover todas as cargas de trabalho críticas para a cloud têm em conta os seus recursos de flexibilidade, fiabilidade e desempenho. 

Estes caraterísticas da cloud fornecem a infraestrutura fundamental necessária para todos os tipos de cargas de trabalho – Inteligência Artificial (IA), tradicional, missão crítica, computação de alta performance (HPC, na sigla em inglês). 

Desde sistemas de ponto de venda para operações de retalho, até sistemas de transações de alta velocidade para serviços financeiros, estas aplicações corporativas críticas irão beneficiar mais com a migração para a cloud. 

 

Mais inteligência artificial 

Hoje, recolhemos mais dados do que nunca. Quando aplicados de maneira inteligente, esses dados informam os nossos processos e fornecem-nos as informações necessárias para trabalhar com mais rapidez, eficiência e flexibilidade. Para esse fim, a inteligência artificial está a terminar o que a inteligência de negócios começou. 

Ao reunir, contextualizar, entender e agir em grandes quantidades de dados, a IA deu origem a uma nova geração de aplicações - uma vez que melhora e se adapta continuamente às condições à sua volta. 

Já estamos a assistir às aplicações a mudarem diante dos nossos olhos. Aplicações de backoffice convencionais estão a tornar-se legacy; estão a ser reinventadas com front ends inovadores e automação comercial agressiva. Olhando para o futuro, a transformação irá tornar-se mais generalizada. A IA está a ser aplicada de muitas maneiras interessantes e é difícil visualizar um futuro em que não seja uma parte importante de todas as aplicações. Quer a IA seja um algoritmo sofisticado baseado em deep learning que pode analisar a qualidade do produto ou um novo paradigma cognitivo de envolvimento do utilizador para fala, visão, gesto ou toque, a Oracle prevê que estará na base de todas as aplicações da próxima geração. 

Simultaneamente, a inteligência artificial, assim como outras tecnologias emergentes, vão duplicar a produtividade. A IA aumentada já tem imenso poder para aumentar a produtividade humana - e, à medida que as capacidades de IA continuam a melhorar, esses ganhos de produtividade vão continuar a aumentar e vão ser testados por mais pessoas. 

À medida que o volume e a profundidade dos dados disponíveis para as empresas aumentam, a inteligência artificial irá tornar-se melhor na tomada de decisões - visto que evolui de uma tecnologia usada para reduzir o esforço humano para algo que pode realmente reduzir o preconceito humano. 

A IA altera a equação da produtividade de muitos trabalhos, automatizando atividades e adaptando os trabalhos atuais para resolver problemas mais complexos e demorados, desde os recrutadores serem capazes de obter melhores candidatos mais rapidamente até aos analistas financeiros, eliminando relatórios manuais com tendência a erros. 

Esse tipo de automação não substitui todos os trabalhos, mas inventa novos. 

 

Gestão de dados 

A motivação para oferecer alta disponibilidade e proteger os ecossistemas tecnológicos nunca foi tão alta. No entanto, no futuro, não será necessário esperar que as organizações de IT respondam a essa procura com pessoas, treino e processo. 

Os dados são um ativo organizacional crucial e devem sempre estar disponíveis, confiáveis e seguros. A primeira etapa para garantir uma maior disponibilidade é eliminar uma ampla coleção de atividades de manutenção, como correções e atualizações, enquanto o sistema está em execução. 

Para pequenas empresas com grandes ideias (e grandes empresas com ideias experimentais), a autonomia torna- se num fator crucial para a continuidade dos negócios e baixos custos operacionais. 

Simplificando, a autonomia permite disponibilizar aplicações online de maneira mais rápida, barata e confiável, sem investir em competências ou pessoas adicionais. 

A Oracle deu o próximo passo em inovação e automação com o lançamento de serviços Autonomous. 

Autonomous Database é a primeira base de dados do setor que é self-driving, self-securing e self-reparing. 

Já um grande número de empresas espalhadas pelo mundo tira partido desta inovação tecnológica, focando-se mais no negócio e menos em tarefas de baixo valor.

 

Conteúdo co-produzido pela MediaNext e Oracle.

 

TAGS

Oracle Cloud

Recomendado pelos leitores

Cisco Meraki, Networking-as-a-Service
CLOUD

Cisco Meraki, Networking-as-a-Service

LER MAIS

É altura de pensar diferente sobre a gestão da rede
CLOUD

É altura de pensar diferente sobre a gestão da rede

LER MAIS

Adoção de serviços cloud volta a acelerar
CLOUD

Adoção de serviços cloud volta a acelerar

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 68 JUNHO 2020

IT CHANNEL Nº 68 JUNHO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.