2020-8-31

SERVIÇOS

Gastos da IA duplicaram em quatro anos

Os analistas da IDC acreditam que existirá uma expansão sem precedentes das tecnologias baseadas em IA até 2024, à medida que as empresas avançam no processo de transformação digital

As novas tecnologias baseadas na inteligência artificial percorreram um longo caminho e já permitem níveis de automação e personalização de serviços que atraem muitos clientes devido à sua rapidez, eficiência e fiabilidade em muitas tarefas internas, mas também em operações comerciais.

A IA pode agora ser aplicada a inúmeros campos, desde o fabrico inteligente até análise empresarial e financeira, experiência do cliente ou serviços de apoio, entre muitos outros exemplos.

Tudo isto conduzirá a uma grande expansão nos próximos anos e, de acordo com as previsões dos analistas da IDC, entre 2020 e 2024, os gastos com AI aumentarão para um CAGR de 20,1%, passando de 50,2 mil milhões de euros este ano para cerca de 110 mil milhões de euros no final do período. Na opinião de Ritu Jyoti, vice-presidente do programa de Inteligência Artificial da IDC, "as empresas vão adotar inteligência artificial, não só porque podem, mas porque devem", e acredita que a inteligência artificial "é a tecnologia que ajudará as empresas a serem ágeis, inovadoras e escaláveis".

Assim, afirma ainda que "as empresas que se tornam orientadas para a IA terão a capacidade de sintetizar a informação (utilizando a IA para transformar dados em informação e depois conhecimento), aprender (utilizando a IA para compreender as relações entre o conhecimento e aplicar a aprendizagem aos problemas de negócio) e a capacidade de fornecer conhecimento em escala (usando AI para apoiar decisões e automação)".

Para os especialistas da IDC, os dois principais impulsionadores do mercado da inteligência artificial estão a melhorar a experiência do cliente e a ajudar os colaboradores no seu trabalho, que abrange inúmeras áreas. Em geral, destacam os agentes automatizados de atendimento ao cliente, os agentes de recomendação de processos de vendas e automação, a inteligência e prevenção de ameaças automatizadas e a automação de IT: quatro casos de uso que representam quase um terço do total dos gastos da atualidade.

Para os próximos quatro anos, as empresas que mais investirão em IA serão o retalho e a banca, que há muito são as que mais alavancam as capacidades desta tecnologia. Os retalhistas concentrar-se-ão mais na melhoria da experiência do cliente através de chatbots inteligentes e motores de recomendação, enquanto as empresas bancárias se concentrarão na análise e investigação de fraudes, nos consultores de programas inteligentes e nos sistemas de recomendação.

Outras indústrias que desempenharão um papel cada vez mais importante no mercado das soluções de inteligência artificial serão a produção discreta, o fabrico de processos e os cuidados de saúde.

Por outro lado, como explica Andrea Minonne, analista sénior de investigação da Customer Insights & Analysis, da IDC, a pandemia "provocou um abrandamento dos investimentos em inteligência artificial na indústria dos transportes, bem como nos serviços pessoais e na indústria de consumo, que inclui empresas de lazer e hotelaria. Estas indústrias desconfiam dos seus investimentos em inteligência artificial em 2020, uma vez que o seu foco será na contenção de custos e na geração de receitas, em vez de inovação ou experiências digitais".

"A IA tem desempenhado um papel na ajuda às sociedades que lidam com perturbações em larga escala causadas por quarentenas e encerramentos. Alguns governos europeus associaram-se a start-ups de IA para implementar soluções de IA que monitorizam os resultados das suas regras de afastamento social e avaliam se o público estava a cumprir as regras. Além disso, os hospitais de toda a Europa estão a usar AI para acelerar o diagnóstico e testes da COVID-19, fornecer consultas remotas automatizadas e otimizar a capacidade hospitalar".

Stacey Soohoo, gestora de investigação da Customer Insights & Analysis da IDC, que tem participado no desenvolvimento deste guia de despesas de IA, afirma que "a curto prazo, a pandemia causou perturbações na cadeia de abastecimento e encerramentos de lojas com um impacto contínuo que se espera que continue até 2021 e nos anos seguintes. Para as indústrias mais afetadas, isto provocou alguns atrasos nas implantações da IA. A par disto existem empresas que conseguiram ver um lado positivo na situação atual: uma oportunidade para se tornarem mais resistentes e ágeis a longo prazo". E afirma que para muitas empresas a IA continua a ser uma tecnologia chave no caminho da recuperação, e a sua adoção irá ajudá-las a reconstruir ou melhorar os fluxos de receitas e operações no futuro.

Os analistas da IDC acreditam ainda que nos próximos anos o software e os serviços serão responsáveis por pouco mais de um terço (cada) do total dos gastos de IA, e o resto irá para o hardware. Quanto ao software, que será a categoria de maior crescimento nestes anos (22,5%), os valores mais elevados corresponderão a aplicações de inteligência artificial (14,2 mil milhões de euros). No domínio dos serviços, a maior despesa será registada nos serviços de IT (14,5 mil milhões). Finalmente, na área do hardware, os servidores assumirão os maiores investimentos (11,2 mil milhões).

IT CHANNEL Nº 71 OUTUBRO 2020

IT CHANNEL Nº 71 OUTUBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.