Nuno Moura, Associate Manager - Information Technology na Michael Page em 2020-6-23

OPINIÃO

Liderança

Tecnologias: uma solução para a mudança no recrutamento

Encontrar o candidato ideal sempre foi um desafio enorme e apaixonante para a área de recursos humanos

Nuno Moura, Associate Manager - Information Technology na Michael Page

No entanto, mesmo quando a conjuntura é favorável, as opções de pesquisa, identificação e validação dos perfis começam a tornar-se insuficientes. É preciso ir muito mais além. O mercado tem exigido cada vez mais rapidez e precisão na hora de contratar. Nos últimos anos, o avanço da tecnologia, a internet e as redes sociais foram-se aproximando e crescendo, otimizando e facilitando o trabalho dos profissionais que atuam neste segmento.

Num período em que foi necessário e essencial o isolamento, o home office e o abrandamento da economia, a área de recrutamento e seleção acabou por ser uma das áreas mais afetadas pela pandemia do Coronavírus, o que originou uma mudança nas organizações em como planear e realizar os seus processos de seleção.

A situação foi especialmente complexa para as equipas, pois teve que ser uma transição rápida para uma operação totalmente online e, com isso, originou uma grande perda da interação presencial e pessoal, e começou por surgir receio da perda de qualidade na análise sobre os candidatos, além de outras fases que por vezes, se utilizam tradicionalmente de maneira presencial.

Com a pandemia, os profissionais procuraram soluções de valor que estivessem ligadas ao bem-estar e segurança pessoal, diferenciais importantes para sentirem um forte apoio emocional. Assim, foi preciso repensar a estratégia da marca da entidade empregadora no cenário online por meio de ferramentas e ações diferenciadoras, como o fornecimento de tecnologia abrangente e ágil, programas remotos de desenvolvimento e formação personalizada e, acima de tudo, transparência na comunicação para proporcionar mais estabilidade emocional e profissional.

Neste sentido, as organizações que têm uma cultura, empatia e uma abordagem humana, terão um employer branding mais atrativo aos talentos.

É neste panorama que entram as tecnologias de informação, setor determinante e, não é por acaso que grandes profissionais de soluções de IT estão envolvidos no desenvolvimento de softwares que aperfeiçoem as plataformas digitais, integradores de soluções, desenvolvimento de espécie de “avatares” e toda uma panóplia de ferramentas tecnológicas que vieram dar uma força e uma ajuda enorme às empresas para desenvolverem com mais precisão e capacidade evolutiva os seus processo de recrutamento.

Essas ferramentas como big data, inteligência artificial e machine learning são algumas de topo de momento que podem ajudar nos recursos humanos, como por exemplo na gestão de dados e análise de redes sociais para identificar potenciais candidatos a determinados perfis de vagas. Na prática, o sistema auxilia, de forma automática, o trabalho que grande parte das empresas de recrutamento faz de forma manual. Identificar e fazer uma pesquisa de informações dos candidatos em redes sociais virtuais, fóruns e grupos de discussão, só que de forma automatizada, e muito mais rápida.

Mais que uma solução de tecnologia, ferramentas como estas representam uma mudança de paradigma no modo como as empresas procuram os seus talentos. O futuro poderá passar por cada vez mais, deixar de divulgar vagas, mas de identificar e atrair o candidato ideal através da tecnologia e plataformas do futuro.

Quando se fala sobre o impacto da tecnologia no setor de recrutamento, a primeira realidade que nos surge de imediato são redes sociais – o LinkedIn, entre outras plataformas – que vieram revolucionar e, de certa forma, facilitar o acesso aos mais variados perfis.

Várias startups da área tecnológica já estão a desenvolver alternativas por meio de softwares com o objetivo de ajudar na pesquisa e busca do perfil ideal, de uma forma mais automatizada, e mais eficiente que poderá tornar certamente, o processo mais célere e ágil, resta saber se mais assertivo e emocional.

A tecnologia trará a automatização, agilidade e critério técnico na escolha dos candidatos de acordo com o perfil traçado, no entanto, o calor humano e o contacto pessoal irão certamente ainda ser necessários.

Por mais sofisticada que seja a definição dos perfis de cada cargo, o algoritmo não trará a química necessária para a escolha do candidato e esta expertise humana ainda é necessária nas organizações – a empatia na escolha tem um peso primordial durante o processo. 

Recomendado pelos leitores

Horizonte aberto: a IBM abre a sua plataforma de gestão de dispositivos edge
OPINIÃO

Horizonte aberto: a IBM abre a sua plataforma de gestão de dispositivos edge

LER MAIS

Os eventos virtuais estão na moda
OPINIÃO

Os eventos virtuais estão na moda

LER MAIS

Proteção de dados em tempos desafiantes
OPINIÃO

Proteção de dados em tempos desafiantes

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 69 JULHO 2020

IT CHANNEL Nº 69 JULHO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.