Ignacio Martín, Dell Technologies Channel Director em 2020-1-02

OPINIÃO

Sustentabilidade nos negócios de A a Z

A necessidade de adotar práticas empresariais sustentáveis está a tornar-se cada vez mais relevante

Ignacio Martín, Dell Technologies Channel Director

Com as manchetes a serem dominadas por protestos de estudantes e imagens de plásticos a poluir os nossos rios e oceanos, vivemos agora num mundo que está desperto para a necessidade de os negócios assegurarem que não estão a impactar negativamente o nosso planeta, mas a ajudar a reduzir a nossa pegada ecológica. Enquanto a geração Z entra no mercado de trabalho com um propósito claro, e consumidores iluminados colocam pressão nos negócios para que estes ofereçam transparência em torno das cadeias de abastecimento, todas as indústrias são confrontadas com o mesmo panorama: ou se adaptam ou são ultrapassadas.

Sucesso é, e será cada vez mais, definido pela capacidade do negócio em demostrar o seu foco e concentração na sustentabilidade. Isto significa mais do apenas falar, sem agir, e para o Canal isso requer uma maior colaboração e objetivos partilhados. Desde centros de dados sedentos de energia, a cadeias de abastecimento cada vez mais complexas, o setor da tecnologia tem um enorme papel a desempenhar. Como em todas as outras indústrias, há implicações ambientais, sociais e económicas. De facto, a tecnologia que está orientada para consolidar as práticas sustentáveis será, por defeito, cada vez mais centrada nos dados e irá levar maior pressão ao Canal, fomentando a sensibilidade ambiental, e práticas e cadeias de abastecimento com uma maior inteligência de recursos.

Atualmente, todos sabemos que a “explosão de dados” está no horizonte. De acordo com o estudo IDC, a dataesfera global – uma medida de quantos dados são criados e replicados por ano – irá crescer mais de cinco vezes nos próximos sete anos. Em 2025 prevê-se que a quantidade total de novos dados criados aumente para 175ZB, em oposição aos 33ZB em 2018.

O estudo sugere ainda que cerca de um terço da dataesfera será guiada pelo crescimento da vigilância de vídeo, sinais de aparelhos IoT, metadados e entretenimento. Um dos cinco segmentos com crescimento mais acelerado na criação de dados é atribuído a vídeos online originados e consumidos pelos utilizadores, como é o caso do YouTube. Estamos à beira de um momento tecnológico incrivelmente emocionante e os negócios estão à procura de conselheiros fiáveis para fornecer maior conhecimento dos seus ambientes, e guiá-los através de transformações personalizadas que os permitam agarrar as oportunidades em curso. E a sustentabilidade tem de fazer parte da equação.

Alguns negócios podem estar ainda a “coçar a cabeça” no que se refere a perceber verdadeiramente o que o termo sustentabilidade significa. Por exemplo, Sustainable Public Procurement (SPP) é um processo através do qual as autoridades públicas procuram atingir um equilíbrio entre três pilares de desenvolvimento sustentável – económico, social e ambiental – quando obtêm bens, serviços ou tarefas em todas as fases do projeto. Este é o ponto mais sensível para os Parceiros de Canal, que se poderão sentir em causa quando um potencial cliente questiona, no momento da proposta, como é que o seu negócio está a procurar minimizar o seu impacto no mundo. Os que apresentam provas concretas e detalhadas é mais provável que consigam fechar o negócio – e ainda bem.

Enquanto a indústria de IT cresce e os centros de dados se expandem, é essencial que os Parceiros levem esta questão a sério. Mas, em última instância, os negócios têm de ser liderados pelo exemplo – e isso tem de ser definido pelo governo. Melhorias nas práticas de sustentabilidade podem ser influenciadas de fora para dentro, com, por exemplo, a Diretiva de Contratos Pública da UE de 2014 a afirmar que os negócios têm de ter em conta o quão sustentável são as escolhas de IT, em vez de se concentrarem no preço competitivo. No entanto, estas opções precisam de ser apoiadas e potenciadas com os negócios em todas as indústrias a serem responsabilizados sob as mesmas diretrizes – criando objetivos facilmente percetíveis e estandardizados.

Tome-se como exemplo o projeto EURECA financiado pela Comissão Europeia, que foi executado para ajudar organizações do setor público em sete países europeus a identificar os impactos ambientais e financeiros dos seus centros de dados. Em 2018, depois de três anos de trabalho, o projeto revelou que avaliar 350 centros de dados do setor público ajudou a poupar 45 horas de gigawatts e poupar 4,5 milhões de euros anualmente. Tal chama à atenção para os encargos financeiros e ambientais que práticas insustentáveis camufladas e as tecnologias podem trazer a uma organização, assim como os ganhos substanciais que podem ser realizados através de ajustes às operações e processos em vigor.

Com a pressão do consumidor final e os requisitos políticos de sustentabilidade e as iniciativas de governo a elevarem a fasquia, os Parceiros de Canal têm também de olhar internamente. No final de contas, a confiança numa empresa começa com transparência, e os clientes esperam-na. Isto significa criar relações abertas e de partilha de conhecimento com Parceiros e pares, de forma a fazer progredir práticas de trabalho sustentáveis – e, da colaboração, nasce a inovação. Apoiar e delegar quem está alinhado e envolvido na cadeia de abastecimento irá reforçar a transparência e confiança.

Em última instância, progredir em direção a objetivos de uma cadeia de abastecimento mais sustentável concede aos negócios vantagem competitiva, contribuindo para um conjunto de inovação contínua que possibilita negócios futuros – num mundo onde os recursos ambientais e sociais são ouro. Mas nenhum Parceiro está no mundo sozinho. O extraordinário só se consegue atingir em conjunto e isso inclui a sustentabilidade.

Recomendado pelos leitores

Como escolher um Parceiro para BPO?
OPINIÃO

Como escolher um Parceiro para BPO?

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 64 FEVEREIRO 2020

IT CHANNEL Nº 64 FEVEREIRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.