2022-1-27

EVENTOS

Building the Future 2022

"Não faz sentido desenvolver soluções que não sejam para resolver os problemas das pessoas”

No primeiro dia do Building the Future, sob o mote Future, a Microsoft apresentou um painel sobre Innovation Through Fusion Development

Com oradores dos “quatro cantos do mundo” a unirem-se no evento, disse a Microsoft Portugal no Twitter, começou o Building the Future 2022. Num painel virtual na manhã do primeiro dia do evento, Hélder Teixeira, IT Specialist na SonaeMC, Pedro Pires, Solutions Architect and Microsoft Powerapps Developer na Secil e Sério Ferreira, Executive Director da EY, juntara-se para falar de Innovation Through Fusion Development, com a moderação de Rodrigo Umbelino, Intelligence Technical Specialist na Microsoft.

A velocidade está patente no meio empresarial e com metas de transformação digital cada vez mais ambiciosas, são necessários métodos com uma elevada eficácia que acompanhem o ritmo da inovação tecnológica exigida pelos utilizadores, menciona a Microsoft Portugal, na apresentação do painel. Sob o pretexto de perceber o papel do Desenvolvimento de Fusão em criar uma estratégia de colaboração entre as equipas de negócio e de IT através da conjugação de plataformas low-code – como a Power Automate: Microsoft Power Platform – e técnicas de desenvolvimento tradicionais, libertando o potencial para a inovação dentro das organizações, os oradores partilharam a sua experiência nas empresas em que estão inseridos. 

Segundo Hélder Teixeira, o Power Automate permitiu poupar recursos humanos. Enquanto antes tinham um colaborador cuja tarefa diária se prendia com analisar e processar emails, uma tarefa repetitiva e processual que “não trazia valor nem para a organização, nem para a própria pessoa”. Nesse sentido, e após a automatização da tarefa, o colaborador pode passar a realizar tarefas mais exigentes e de valor, o que se tem “replicado em imensos processos dentro da companhia”.

O IT Specialist da Sonae assegura que o Power Automate é “como uma caixa de pandora”, porque “coloca tudo a comunicar” e permitiu que os dados se movessem para tornar que as operações fosse muito mais ágeis. Mais, com o aumento do comércio online e fruto de uma formação sobre a tecnologia de automação, deu o exemplo de um colaborador da equipa operacional que decidiu construir uma Power App para colocar num ponto único toda a informação dispersa de gestão utilizada para tomar decisões das equipas.

Já Pedro Pires explicou que no caso da Secil começaram por tentar responder a vários problemas relacionados com o facto de o IT estar sobrecarregado – o IT não era rápido a desenvolver soluções e não tinham tempo para todos os departamentos. Para mudar o cenário, recorreram à utilização de Power Apps. “O nosso drive é a necessidade do utilizador”, refere, “e quando o utilizador perceber” que conseguimos fazer uma entrega rapidamente, “numa tarde, no dia a seguir, o utilizador passa a estar do nosso lado e passa a ser um membro da equipa de desenvolvimento”.

“Nós encontramos um conjunto de problemas com dificuldade que se prende com a adoção tecnológica nas organizações”, disse Sérgio Ferreira, Executive Director da EY, e continua: “tínhamos a noção de que havia muita tecnologia a entrar nas organizações, mas percebemos que não estava a ter o retorno esperado”, pelo que não havia resultados de produtividade, ganhos de eficiência, reduções de custo, havia falha nos objetivos de transformação digital e no envolvimento dos colaboradores, e não havia melhoria nos serviços que se estavam a desenvolver.

Em conjunto com a Microsoft, “criamos um programa de ativação digital: uma framework que tenta alavancar uma metodologia que permitia resolver os problemas encontrados”. Mais, “pegar nas iniciativas e dar-lhes uma escala empresarial para poder chegar a todos na organização”. Sérgio Ferreira explica que é “central” pensar que “não faz sentido desenvolver tecnologias e soluções que não sejam para resolver os problemas das pessoas” e, por isso, “colocar o utilizador no centro é brilhante e foi isso que encontramos que faz toda a diferença”. 

Numa fase inicial, o Executive Director da EY explica que procuraram fazer aquilo a que chama de “alinhamento” – procurar o que se pretende atingir. Depois, a perspetiva de descoberta – “ir junto das pessoas e perceber como a tecnologia os pode ajudar nas suas dificuldades”. Dessa forma, “estávamos a envolvê-las, a motivá-las e a ativá-las”, quebrando a barreira do “para que é que eu preciso de mais uma aplicação?” e em vez de o “IT levar a solução, ela é construída com a pessoa”, com base nas suas contribuições. Contudo, é, também, muito importante a “refinação”, para que o movimento se mantenha ao longo do tempo.

Finalmente, Sérgio Ferreira nota com dados percentuais em relação a uma organização com a qual trabalhou. Através do programa de ativação digital 91% os colaboradores disseram estar muito satisfeitos e que o programa tinha tido um impacto muito positivo na transformação que estavam à procura. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Quarta edição do Building the Future volta em janeiro de 2022
EVENTOS

Quarta edição do Building the Future volta em janeiro de 2022

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 89 JULHO 2022

IT CHANNEL Nº 89 JULHO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.