2020-4-30

SEGURANÇA

Vulnerabilidade no Teams possibilitava roubo de contas

Um problema de segurança no Teams, entretanto já corrigido pela Microsoft, podia abrir a porta ao roubo de credenciais e acesso a dados confidenciais

A Microsoft resolveu um problema na sua aplicação Microsoft Teams que, caso não tivesse sido atualizada, poderia ter sido explorada de forma a permitir controlar as contas de utilizador. 

Ao capturar uma conta de Teams, os atacantes podiam chegar ao ponto de conseguir explorar a vulnerabilidade recolhendo dados das contas, os quais poderiam depois conter informação confidencial, passwords e planos de negócios, entre outras informações valiosas, revelou a Eset, de acordo com informação dos investigadores da CyberArk. 

Com milhares de empresas forçadas a alterar as suas rotinas e a porem em prática formas de teletrabalho devido à pandemia do COVID-19, os seus departamentos de TI enfrentam inúmeros desafios na mudança segura para o trabalho remoto. 

A comunicação entre os trabalhadores e a empresa é o aspeto mais importante desta mudança, com um grande número de organizações a optarem pela utilização de plataformas como o Zoom, Microsoft Teams ou Slack. Contudo, isto teve como efeito secundário colocar estas plataformas no radar dos cibercriminosos.  

Um dos potenciais cenários de ataque (antes da correção da vulnerabilidade pela Microsoft) poderia consistir na utilização de um ficheiro GIF malicioso capaz de recolher dados do utilizador e, assim, poder controlar todas as contas Teams da organização. 

Se um atacante conseguisse levar o utilizador a visitar estes subdomínios, os quais estavam sob o controlo dos cibercriminosos, seria possível ao atacante roubar os dados da conta Teams da vítima. 

A exploração da vulnerabilidade passava por enviar à vítima um GIF malicioso. Pior, o simples facto de o GIF ser visionado teria sido o suficiente para que o ataque fosse bem-sucedido e pudesse, dessa forma, espalhar-se automaticamente pela rede. Esta vulnerabilidade, entretanto corrigida, esteve presente quer nas versões do Teams para desktops, quer na implementação do Teams através do browser. 

De acordo com a Eset, a CyberArk comunicou a sua descoberta à Microsoft no dia 23 de março e, no mesmo dia, a empresa reagiu rapidamente corrigindo a vulnerabilidade ao nível dos servidores DNS. No passado dia 20 de abril foi lançado um ódigo de correção para o Teams. Aparentemente, não chegou a ser registado qualquer ataque capaz de tirar partido desta vulnerabilidade. 

Também o Zoom, um dos maiores concorrentes da Microsoft na área da comunicação e colaboração, teve já recentemente a sua quota parte de problemas de segurança. Neste caso, descobriu-se que os dados de acesso de mais de meio milhão de contas Zoom estavam a ser vendidos na “dark web”, muito embora se tenha concluído que tal não se deveu a uma vulnerabilidade da aplicação.

Recomendado pelos leitores

Ciberataque à EasyJet expõe dados de nove milhões de clientes
SEGURANÇA

Ciberataque à EasyJet expõe dados de nove milhões de clientes

LER MAIS

Polícia Judiciária realiza buscas a suspeitos de ataque à Altice
SEGURANÇA

Polícia Judiciária realiza buscas a suspeitos de ataque à Altice

LER MAIS

Descoberta vulnerabilidade em API oficial da Microsoft
SEGURANÇA

Descoberta vulnerabilidade em API oficial da Microsoft

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 67 MAIO 2020

IT CHANNEL Nº 67 MAIO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.