2020-3-05

SEGURANÇA

COVID-19: trabalhar remotamente pode ser um risco?

O surto de coronavírus está a fazer com que as organizações incentivem o trabalho remoto como tentativa de abrandar a disseminação do vírus, mas para isso é preciso tomar algumas medidas de segurança

Muitos são aqueles que por causa do COVID-19, trabalham remotamente. O que tem vindo a ser uma tendência crescente no mundo empresarial e uma vantagem para a maioria das empresas, pode também conter alguns riscos e por isso é necessário que as organizações reavaliarem a segurança do acesso à distância aos seus sistemas corporativos, pois uma vez que os dispositivos trabalham fora da infraestrutura de rede interna e se conectam a outras redes Wi-Fi, os riscos também aumentam.

Aconselhamos as empresas a serem particularmente cautelosas neste momento, devendo garantir que os seus colaboradores conseguem trabalhar remotamente sem comprometer a segurança da informação”, afirma David Emm, Investigador de Segurança da Kaspersky.

De forma a reduzir as ameaças de cibersegurança associadas ao trabalho remoto, a Kaspersky recomenda:

  • Fornecer uma VPN (Rede Privada Virtual) para que as equipas se conectem com segurança à rede corporativa.
  • Proteger todos os dispositivos da empresa – incluindo telemóveis, portáteis e tablets – com um software de segurança adequado (por exemplo, com uma solução que permita eliminar dados de aparelhos que sejam declarados como perdidos ou roubados, que separe a informação pessoal da profissional e que restrinja as aplicações que podem ser instaladas).
  •  Executar as atualizações mais recentes dos sistemas operativos e das aplicações.
  • Restringir os direitos de acesso dos utilizadores que se conectam à rede corporativa.
  • Assegurar que as equipas estão conscientes dos perigos associados à resposta de mensagens que não foram solicitadas.

O coronavírus não só já provocou o aumento do trabalho remoto, como tem suscitado o interesse dos hackers, que já ocultaram malware em ficheiros e documentos que aparentemente seriam um esclarecimento sobre a doença. Com os criminosos a aproveitarem-se desta onda de alarme, é prudente que as empresas estejam ainda mais vigilantes na proteção da sua informação”, comenta David Emm.

No final de janeiro deste ano, a Kaspersky já havia divulgado que tinham sido detetados ficheiros maliciosos disfarçados de documentos pdf., mp4 e docx. cuja designação se relacionava de alguma forma com o coronavírus – indicavam, por exemplo, que continham conselhos de proteção contra a doença, atualizações sobre as ameaças e procedimentos de deteção do vírus, embora não fosse o caso. Em vez disso, eram o veículo para uma série de ameaças, como trojans e worms, capazes de eliminar, bloquear ou copiar dados, além de interferirem com a operação dos computadores e respetivas redes.

Recomendado pelos leitores

Malware nunca antes visto ameaça utilizadores Android
SEGURANÇA

Malware nunca antes visto ameaça utilizadores Android

LER MAIS

Relatório revela aumento de risco no trabalho remoto
SEGURANÇA

Relatório revela aumento de risco no trabalho remoto

LER MAIS

“Queremos incluir todos os Parceiros Panda no Programa WatchGuard One”
SEGURANÇA

“Queremos incluir todos os Parceiros Panda no Programa WatchGuard One”

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 72 NOVEMBRO 2020

IT CHANNEL Nº 72 NOVEMBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.