2022-1-10

SEGURANÇA

Ciberataques a organizações portuguesas aumentaram 81% em 2021

As organizações portuguesas foram atacadas, em média, 881 vezes por semana em 2021

Em 2021, em Portugal, uma organização foi atacada, em média, 881 vezes por semana – um aumento de 81% face a 2020 – com a Educação, Saúde e a Administração Pública/Setor Militar como setores mais visados. Os dados são da Check Point Research (CPR), que numa análise retrospetiva, partilhou as estatísticas globais e nacionais relativas ao aumento do número de ciberataques que têm como alvo redes corporativas. 

Mais, a CPR viu o número de ciberataques por semana contra organizações aumentar 50%, em comparação com 2020. A tendência para o crescimento destas ameaças atingiu um novo pico no final de 2021, com a revelação da vulnerabilidade presente no Log4J, que fez com que o número de ciberataques por semana contra organizações chegasse aos 925, a nível global.

“Os hackers continuam a inovar. Novas técnicas de penetração nos sistemas e métodos de evasão fizeram com que fosse muito mais fácil para os hackers levar a cabo as suas intenções maliciosas”, comenta Omer Dembinsky, Data Research Manager, da Check Point Software. África (+13%), região Ásia Pacífico (+25%) e América Latina (+38%) foram os principais alvos do cibercrime contra organizações, apesar de a Europa (+68%) ter registado o maior aumento percentual de ciberataques de ano para ano, seguida da América do Norte (+61%).

Setores mais visados em Portugal:

  1. Educação/Investigação (+57%)
  2. Saúde (+108%)
  3. Administração Pública/Setor Militar (+106%)
  4. Utilities (+371%)
  5. Setor transformador (+84%)

Setores mais visados no mundo

  1. Educação/Investigação (+75%)
  2. Administração Pública/Setor Militar (+47%)
  3. Comunicações (+51%)
  4. ISP/MSP (67%)
  5. Saúde (71%)

“O que é mais alarmante é o facto de estarmos a ver algumas indústrias fulcrais para a sociedade subir cada vez mais na lista dos mais atacados. A educação, os serviços de administração pública, e o setor da saúde constam do top 5 de setores mais visados em todo o mundo. Acredito que estes números vão aumentar em 2022, com os hackers a inovar continuamente e a procurar novos métodos para executar ciberataques, especialmente ransomware. Podemos dizer até que estamos a viver uma ciberpandemia. Eu recomendo vivamente todos os utilizadores, especialmente quem está nos setores mencionados acima, a aprender o básico para se protegerem. Medidas simples como descarregar patches, segmentar redes e sensibilizar colaboradores podem fazer muito pela cibersegurança do mundo”, completa Omer Dembinsky. 

ARTIGOS RELACIONADOS

Apache Log4j: perto de metade das redes corporativas em Portugal sofreram uma tentativa de ataque
SEGURANÇA

Apache Log4j: perto de metade das redes corporativas em Portugal sofreram uma tentativa de ataque

LER MAIS

Organizações portuguesas sofrem mais de 800 ataques por semana
SEGURANÇA

Organizações portuguesas sofrem mais de 800 ataques por semana

LER MAIS

Recomendado pelos leitores

Português ISQ integra projeto europeu de cibersegurança na indústria
SEGURANÇA

Português ISQ integra projeto europeu de cibersegurança na indústria

LER MAIS

Ingecom assina novo acordo de distribuição que inclui Portugal
SEGURANÇA

Ingecom assina novo acordo de distribuição que inclui Portugal

LER MAIS

Riscos tecnológicos integram principais riscos globais nos próximos anos
SEGURANÇA

Riscos tecnológicos integram principais riscos globais nos próximos anos

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 83 DEZEMBRO 2021

IT CHANNEL Nº 83 DEZEMBRO 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.