2022-11-09

EVENTOS

Web Summit: inovar para preparar o futuro

A Web Summit voltou a marcar presença em Lisboa e o papel da inteligência artificial e a computação quântica foram apenas alguns dos (muitos) temas explorados nos três dias do evento

Web Summit: inovar para preparar o futuro

Lisboa voltou a receber o Web Summit (fotografia por Piaras Ó Mídheach/Web Summit via Sportsfile)

“Somos terríveis a prever as consequências da tecnologia”

por Margarida Bento

A tecnologia não é intrinsecamente neutra – quando é aplicada, a forma como a aplicamos, o propósito que lhe damos e as consequências por ela causadas conferem-lhe peso ético. Este é um tema há muito debatido, e o que trouxe ao palco Rebecca Parsons, CTO da ThoughtWorks, no primeiro dia da Web Summit. Na sua apresentação “Winning as a Responsable Company”, Parsons partilhou um estudo que a ThoughtWorks realizou em conjunto com a MIT Technology Review sobre o papel estratégico da tecnologia responsável, bem como os obstáculos à sua adoção.

Rebecca Parsons, CTO da Thoughtworks (fotografia por Piaras Ó Mídheach/Web Summit via Sportsfile)

O estudo define tecnologia responsável como o resultado da consideração ativa dos valores, consequências não intencionais, e impactos negativos da tecnologia, de forma a mitigar os possíveis riscos e danos nas comunidades afetadas pela tecnologia.

“Enquanto tecnólogos, somos terríveis a prever as consequências das tecnologias que criamos”, refere a responsável.

Uma das questões abordadas por este estudo é o motivo pelo qual as empresas respondentes se preocupam com a ética na tecnologia. A resposta mais frequente é o compliance: preocupam-se porque a isso são obrigadas.

No entanto, apesar destas preocupações terem começado com o compliance, muitos negócios estão a compreender o valor estratégico da tecnologia ética e responsável, não só para transmitir uma melhor mensagem para o mercado, como também para atrair investidores.

Há também a questão da proteção da marca – os resultados negativos da tecnologia podem causar danos à imagem da empresa. Do mesmo modo, reforça a responsável, isto implica não só proteger como promover a imagem de marca, especialmente em termos de employer branding e no que toca à Gen Z – num cenário de escassez de talentos, os colaboradores podem facilmente abandonar uma organização se sentirem que não se identificam com os seus valores, incluindo a sua responsabilidade e ética.

“Se não houver adaptação apropriada, até as empresas mais antigas se podem desmoronar”

por Maria Beatriz Fernandes

No primeiro dia, o palco MoneyConf recebeu variadas discussões sobre serviços financeiros, digitalização e atuais disrupções macroeconómicas. Para falar sobre como as Pequenas e Médias Empresas (PME) potenciam a economia global, Shane Happach, CEO da Mollie, e Kathryn Petralia, cofundadora da Keep Financial.

Shane Happach, CEO da Mollie (fotografia por Diarmuid Greene/Web Summit via Sportsfile)

Segundo o painel, ativar os pequenos negócios passa pelo conceito de adaptação, maioritariamente devido à pandemia – a novos modelos de negócio, ao digital, a novos modelos de pagamento, e ao marketing digital.

O painel seguinte lançou a pergunta: são as marcas as soluções financeiras do futuro? Roland Folz, CEO da fintech alemã SolarisBank, afirma que é importante que os serviços financeiros se reinventem – comecem com um produto e expandam a sua oferta, criando, posteriormente, produtos de forma integrada, e escalando para outros países.

“2022 é um ano muito difícil. Acho que alguns modelos de negócio menos estáveis têm passado dificuldades com o pouco investimento existente. Há muitas mudanças a acontecerem no mercado e se não houver uma adaptação apropriada, até as empresas mais antigas se podem desmoronar”, refere.

Inteligência artificial, um grande valor para qualquer negócio

por Marta Quaresma Ferreira

A inteligência artificial como o mote para o futuro do trabalho e da democratização da comunicação nas empresas. Esta foi a mensagem deixada por Craig Walker, Co-founder & CEO da Dialpad, no segundo dia de Web Summit, em Lisboa.

Numa altura em que a revolução da inteligência artificial já começou, o orador apresentou alguns insights sobre a forma como a IA está já a mudar as empresas, com várias organizações como a Google e a Apple a apostarem em soluções que envolvam esta nova tecnologia.

Na prática, as áreas de vendas, apoio ao cliente e recrutamento são algumas das áreas onde a aposta na inteligência artificial pode ser uma mais-valia para o crescimento de uma empresa, ao ajudar as organizações a tomar as decisões mais inteligentes, que satisfaçam clientes e equipas, e que vão ao encontro do foco do negócio.

No trabalho do dia a dia, a inteligência artificial pode dividir-se em três vetores que vão ajudar a trazer melhorias ao trabalho: automação, assistência e insights.

A automação conta com virtual customer assistants, virtual employee assistants e business process automation. Na assistência, a inteligência artificial poderá dar sugestões, coaching, automated compliance e playbook adherence.

Por fim, nos insights, podemos ter interações – as organizações vão precisar de alguém que elabore inquéritos de satisfação para os clientes, por exemplo –, otimização – saber quem é que precisa de acompanhamento e que tipo de acompanhamento –, previsões – prever se um cliente vai comprar um produto e quais as suas intenções – e engagement – oferecer experiências personalizadas e ajudar o consumidor a encontrar a informação de que necessita, sem que para isso tenha de pedir ajuda ao suporte da empresa. Para Craig Walker, “qualquer negócio, seja de que tamanho for, consegue tirar daqui [inteligência artificial] um grande valor”.

O Web Summit decorreu entre o dia 1 e 4 de novembro em Lisboa (fotografia por Lukas Schulze/Web Summit via Sportsfile)

Organizações criam equipas para se prepararem para a computação quântica

por Rui Damião

“Há alguém que perceba mesmo a [computação] quântica?”. É esta a pergunta que está na descrição da sessão “Will quantum computing revolutionise our daily lives?” que contou com Ilana Wisby, CEO do Oxford Quantum Circuits no segundo dia da Web Summit. A resposta aparece logo à frente: “sim ou não, é provável que o quantum vai ter um grande papel na definição do nosso futuro”.

Mas, afinal, o que é computação quântica e quais as diferenças para a computação ‘tradicional’ a que estamos habituados? “A computação quântica não é simplesmente uma nova ou mais rápida ou melhor forma de processamento; o que traz são novos princípios. Não está circunscrito ao binário, aos zeros e aos uns; em vez disso, temos acesso a uma infinidade de aplicações, temos o zero e o um e tudo o que está no meio. Isso é uma mudança de paradigma de capacidade de tecnologia e há um grande número de aplicações que são revolucionárias para a computação”, explicou, logo no início da sessão, Ilana Wisby.

Ilana Wisby partilhou com a audiência que os clientes da OQC estão a utilizar a computação quântica em verticais chave, como o setor financeiro, que procura diferentes otimizações e pensam no que podem fazer no futuro. Atualmente, o setor financeiro utiliza a tecnologia para, por exemplo, análise de portfólio e algumas otimizações de pequena escala.

As organizações procuram não ficar de fora da onda da inovação e, no mínimo, querem experimentar a tecnologia. Wisby indica que as empresas querem ter a vantagem de serem os primeiros a experimentar a tecnologia e a olhar estrategicamente para o futuro do negócio e quais os riscos possíveis.

“Vemos empresas a preparar as suas próprias equipas quantum com especialistas para aprenderem a identificarem onde a computação quântica pode ter mais impacto, mas também a aprenderem as competências internamente com os computadores de hoje para, quando o poder [de processamento] estiver disponível, possam alavancar essa equipa. Ninguém quer ficar para trás”, refere.

TAGS

Web Summit

Recomendado pelos leitores

Assista gratuitamente ao IT Channel Live Event sobre cibersegurança
EVENTOS

Assista gratuitamente ao IT Channel Live Event sobre cibersegurança

LER MAIS

CES 2023: uma montra da inovação tecnológica em 2023
EVENTOS

CES 2023: uma montra da inovação tecnológica em 2023

LER MAIS

Hikvision apresenta novidades na ISE 2023
EVENTOS

Hikvision apresenta novidades na ISE 2023

LER MAIS

Programas de Canal 2023

Programas de Canal 2023

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.