2020-8-03

SOFTWARE

Mercado europeu de PC registou crescimento de 30%

Os bloqueios da pandemia COVID-19 impulsionaram a procura de equipamentos profissionais, e em especial o dos equipamentos de consumo, que registaram aumentos de 20,5% e 51,2%, respetivamente

O mercado tradicional de PCs na Europa, Médio Oriente e África (EMEA) registou um crescimento anual de 26,4% no segundo trimestre, atingindo 20,7 milhões de unidades vendidas, de acordo com a IDC. À medida que os problemas que afetam a produção e a cadeia logística diminuíram, a enorme procura acumulada de computadores portáteis, que registou um aumento de 49%, foi mais do que suficiente para compensar a diminuição da procura de computadores de secretária no ambiente de trabalho, um segmento que registou uma queda de 16,1%.

O mercado de PC da Europa Ocidental superou as expectativas já positivas, com um crescimento recorde de 30,6%, o maior crescimento global desde 1998. Os bloqueios da pandemia COVID-19 impulsionaram a procura de equipamentos profissionais, e em especial o dos equipamentos de consumo, que registaram aumentos de 20,5% e 51,2%, respetivamente.

"O segundo trimestre marca o maior crescimento no mercado de PC de consumo alguma vez registado na Europa Ocidental", afirna Liam Hall, analista sénior de investigação da IDC Western Europe Personal Computing. "O confinamento fez com que as famílias que tinham um único dispositivo enfrentassem a incapacidade de partilhar o computador da família para acomodar múltiplas exigências simultâneas de trabalho, estudo e entretenimento. Os computadores portáteis adicionais têm sido a solução chave, com uma subida anual de 61,4%, e mesmo os desktops experimentaram uma forte procura, com um crescimento de 10,8%".

No segmento profissional, o crescimento foi impulsionado inteiramente pela forte adoção de computadores portáteis, com um crescimento de 55,2%, o que compensou a queda acentuada dos computadores de secretária, 30,4% encriptados. Os computadores portáteis foram, sem dúvida, a excelente solução utilizada para responder à necessidade de trabalhar e estudar a partir de casa, e as suas vendas foram impulsionadas pelo atraso acentuado do primeiro trimestre devido à oferta e aos constrangimentos logísticos.

A consolidação tradicional do mercado de PC continuou, e a quota dos cinco principais fornecedores cresceu, representando 84,5% do volume total de mercado, contra 82,5% no trimestre anterior. A HP continuou a liderar o mercado de PC da EMEA, registando uma quota de 29,3%. O fabricante registou um aumento de 27,9% nas vendas devido à elevada procura de dispositivos de trabalho doméstico e de entretenimento.

A Lenovo (incluindo a Fujitsu) manteve a segunda posição, com uma quota de mercado de 26,1%. A empresa continuou a crescer, mostrando a sua capacidade de atender à forte procura em ambos os segmentos. Segue-se a Dell com uma quota de 13,4%. O fornecedor registou um crescimento homólogo de 17,5% nas vendas, fruto da possibilidade de satisfazer a procura de equipamentos de educação e trabalho.

A Acer recuperou a quarta posição no mercado com uma quota de 8,3%. A crescente procura de computadores de consumo e de jogos, especialmente em torno de dispositivos de nível de entrada, aliados a uma forte procura educativa, ajudou a Acer a registar um crescimento homólogo de 29%.

Já a Asus caiu para o quinto lugar, com uma quota de mercado de 7,4%, registando ainda assim um enorme crescimento de 56,5%, impulsionado pela procura dos consumidores.

IT CHANNEL Nº 72 NOVEMBRO 2020

IT CHANNEL Nº 72 NOVEMBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.