2021-1-11

SEGURANÇA

Cibercrime vai focar-se no trabalho remoto, criptomoedas e IA

Espera-se que os ataques a VPNs aumentem até 2021, bem como outros serviços que permitam o acesso remoto

A pandemia levou a um aumento significativo dos ciberataques. De acordo com os dados da INTERPOL, entre janeiro e abril de 2020, um dos seus parceiros do setor privado detetou mais de 900.000 spam, 737 incidentes do tipo malware e 48.000 URLs maliciosos, todos relacionados com a COVID-19.

Não há dúvida de que a cibersegurança deve ser uma das questões prioritárias de todas as empresas até 2021, uma vez que o cibercrime está em plena expansão e o seu impacto no negócio pode ser decisivo. De facto, só em 2019, a cibercriminalidade provocou perdas superiores a 1% do PIB mundial, acima dos 800 mil milhões de euros. 

Perante a necessidade das empresas estabelecerem barreiras eficazes contra estes perigos, os especialistas da Excem Technologies identificam as vias mais comuns que os cibercriminosos utilizarão para realizar os seus ataques em 2021:

-Trabalhadores remotos e VPNs. O coronavirus levou à implementação rápida e obrigatória do teletrabalho que fez com que muitas empresas optassem por utilizar VPNs com infraestruturas de segurança mais antigas, em vez de lançarem processos de migração em cloud. A latência destes sistemas pode dificultar a produtividade e também permitir que os utilizadores acedam remotamente a recursos internos que podem não ser necessários. Na verdade, espera-se que os ataques a estes sistemas aumentem até 2021, bem como outros serviços que permitam o acesso remoto. É por isso que 60% das empresas deverão substituir progressivamente as VPNs por soluções de acesso à rede até 2023;

-Deep Web. O roubo de dados corporativos para venda na web e na dark web é um dos principais objetivos dos cibercriminosos. Só a nível de utilizador, através destes ataques é possível obter contas de redes sociais, dados bancários, comprovativo de identidade, acesso a email, número de telefone, segurança social, morada de faturação, etc. Por isso, num momento interligado e com a próxima implementação da rede 5G a nível global, não é de estranhar que em 2021 os ataques para obter este tipo de informação sensível e confidencial continuem a aumentar;

-Drones. A sua utilização tem aumentado não só em áreas como lazer, fotografia, mapeamento de território, etc., mas cada vez mais há exemplos do uso de drones para fins de espionagem ou fins maliciosos. É por isso que, a partir de 1 de janeiro, entrará em vigor nova legislação que irá regulamentar a utilização de drones a nível europeu. Para garantir uma aplicação eficaz destes regulamentos, está prevista a implementação de sistemas de monitorização e monitorização de drones, bem como sistemas anti-drones para a deteção e neutralização destes dispositivos em áreas restritas e infraestruturas críticas;

-Criptomoedas. Atualmente, uma bitcoin vale cerca de 15.000 euros e o seu valor aumentou mais de 200% este ano. Durante 2020 as empresas ligadas a criptomoedas experimentaram algum tipo de ciberataque, algo que afeta diretamente o seu valor de mercado. Um exemplo claro de como as criptomoedas continuarão a definir a tendência em 2021 e, portanto, continuarão a ser um alvo prioritário de ciberataques, é o facto de muitas empresas estarem também a lançar as suas próprias moedas ou alternativas deste tipo, como o Facebook, que colocará a sua própria moeda em circulação em janeiro, ou o BBVA, que permitirá aos seus clientes comprar e guardar bitcoins também no início de 2021;

-Inteligência artificial. Esta tecnologia desempenhará um papel crítico devido às suas múltiplas capacidades e capacidades preditivas. Graças a isso, as empresas podem adaptar a sua tecnologia para antecipar alguns dos ataques mais comuns e, assim, estar preparados, reduzindo o tempo que o departamento de segurança precisa para tomar decisões e responder à ameaça. Mais importante ainda, o papel da inteligência artificial no mercado da cibersegurança deverá passar de 8,8 mil milhões de euros em 2019 para 38,2 mil milhões em 2026;

-IoT/Indústria. Devido ao aumento de todo o tipo de dispositivos conectados no nosso ambiente, como os que controlam a iluminação ou gestão de resíduos em Smart Cities, contadores de qualidade do ar ou da água ou veículos conectados, bem como os contadores digitais das empresas elétricas, hoje em dia é cada vez mais necessário proteger adequadamente estes sistemas de ciberataques através de ferramentas que impedem a modificação dos seus firmware por um intruso ou a interceção da rede que os controla.

"Sem dúvida que até 2020 as empresas perceberam a importância de proteger os seus ativos digitalmente. As perdas económicas causadas por estes ataques são muito graves, além da pegada negativa que deixam ao nível reputacional que às vezes é mais grave para o futuro da empresa", diz Rubén Vega, Cybersecurity Manager da Excem Technologies. "Em 2021 esperamos que as empresas continuem a trabalhar na cibersegurança, tanto em ferramentas digitais como na formação de colaboradores, a primeira barreira contra estes ciberataques".

Recomendado pelos leitores

SolarWinds lançam correção depois de campanha de hacking
SEGURANÇA

SolarWinds lançam correção depois de campanha de hacking

LER MAIS

As principais ciberameaças em 2021
SEGURANÇA

As principais ciberameaças em 2021

LER MAIS

SolarWind: Impacto no governo dos EUA continua a crescer
SEGURANÇA

SolarWind: Impacto no governo dos EUA continua a crescer

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 73 DEZEMBRO 2020

IT CHANNEL Nº 73 DEZEMBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.