2018-3-12

OPINIÃO

Porque é que o novo relatório da Gartner sobre a modernização dos Centros de Dados me surpreendeu

A maioria dos analistas concorda que uma série de fatores tecnológicos (como o aumento exponencial do tráfego digital) estão a convergir para mudar a forma como os Centros de Dados funcionam.

Como profissional dedicada a soluções para Centros de Dados, todos os dias assisto a muitas conferências e fóruns do setor. Sinto sempre curiosidade relativamente às ideias inovadoras e a como os clientes estão a utilizar a tecnologia para resolver novos problemas de negócio. Recentemente tropecei num relatório novo da Gartner Research intitulado “Deliver Data Center Modernization Using Three Cloud-Complementary Approaches”.

Perguntava-me como está a evoluir toda esta migração para a Cloud. Agora que a maioria de nós, profissionais ligados aos Centros de Dados, migrámos algumas aplicações para a Cloud, de uma forma ou de outra, queria averiguar como funcionam estes ambientes de Centros de Dados “híbridos” que combinam os ambientes on-premises e a Cloud.

Parte do relatório permitiu-me conhecer um novo conceito que a Gartner chama “Colocation Network Hubs” (o que muitos de nós chamam “Regional Edge Facilities” ou “Instalações Regionais de Proximidade”). Independentemente do nome, os problemas são os mesmos: latência, largura de banda e segurança. Até agora, sempre imaginei a co-localização como um grande armazém para albergar equipamentos de TI e não como uma plataforma capaz de apoiar implementações a uma escala menor.

A maioria dos analistas concorda que uma série de fatores tecnológicos (como o aumento exponencial do tráfego digital, uma forte exigência de conteúdo que requer uma elevada largura de banda ou a tendência crescente da Internet das Coisas) estão a convergir para mudar a forma como os Centros de Dados funcionam. De acordo com o relatório da Gartner que li, as instalações regionais de proximidade são uma abordagem concebida para lidar com os problemas de acesso e segurança que afetam este grande volume de dados gerados de proximidade.

As instalações regionais albergam o hardware e o software necessários para processar aplicações locais que requerem uma elevada largura de banda. Uma instalação regional típica oferece um ambiente seguro e dedicado no qual os utilizadores finais alojam os equipamentos de processamento local, armazenamento de dados e de rede. Estas instalações foram concebidas para manter a alta disponibilidade de múltiplos clientes ao mesmo tempo que oferecem a máxima velocidade de rede e níveis de latência mais baixos. As instalações regionais edge podem oferecer estes serviços porque se encontram nos principais centros de agregação de Internet, com interrupções mínimas do serviço (inferiores a 0,001%) 

Agora que os ambientes de computação edge se transformaram numa necessidade para apoiar o consumo de grandes larguras de banda e garantir uma baixa latência, as instalações regionais de edge enfrentam o desafio de resolver os constrangimentos na rede e ter de complementar a largura de banda dos Centros de Dados de fornecedores de Cloud, geograficamente mais distantes.

O relatório da Gartner proporciona vários exemplos específicos no que diz respeito aos casos em que a aplicação de uma abordagem de instalação regional edge pode ter sentido para as empresas. Essencialmente, estas instalações são bastante úteis para lidar com os requisitos de autenticação e minimizar a latência. Parecem ser uma boa solução para estabilizar a natureza variável de algumas conexões na Cloud.

Para aprofundar o conceito das instalações regionais edge, recomendo que investiguem sobre como proporcionar alimentação e refrigeração deste tipo de ambientes distribuídos. Caso utilizem uma instalação deste tipo, queiram assegurar-se que a vossa rede e servidores estão protegidos por um Sistema de Alimentação Ininterrupta (UPS). Dependendo da quantidade de equipamentos que queiram alojar no local, poderão escolher uma pequena unidade pré-fabricada que inclua toda a infraestrutura física necessária para trabalhar num único pacote. Acrescentem-lhe monitorização remota e terão tudo o que é necessário.  

A Schneider Electric oferece uma série de ferramentas de avaliação úteis, além de uma completa biblioteca de white papers que mostram as opções de infraestrutura física de alimentação e refrigeração disponíveis para as novas instalações regionais edge. Todos estes conteúdos são muito práticos para qualquer pessoa que queira começar a planificar o seu próximo projeto. 

Ponderar a utilização de instalações regionais de ponta pode ser uma boa política de segurança se as aplicações de computação de ponta continuaremm a crescer.

 

 Maria de Lurdes Carvalho

Vice President, Data Center & Industrial Solutions Europe Manager da Schneider Electric.

Recomendado pelos leitores

Até onde conseguirá ir a Automação Robótica de Processos aliada à Inteligência Artificial
OPINIÃO

Até onde conseguirá ir a Automação Robótica de Processos aliada à Inteligência Artificial

LER MAIS

As principais tendências no armazenamento para 2022
OPINIÃO

As principais tendências no armazenamento para 2022

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 83 DEZEMBRO 2021

IT CHANNEL Nº 83 DEZEMBRO 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.