Abel Aguiar, Diretor Executivo para Canal e Parceiros da Microsoft Portugal em 2021-5-19

OPINIÃO

O impacto da pandemia na transformação digital da Impressão e Digitalização

Passado mais de um ano do primeiro caso de COVID-19, podemos ter tendência a considerar que os movimentos de transformação que vivemos decorrem, direta ou indiretamente, da situação pandémica que vivemos

A forma como trabalhamos foi profundamente impactada de forma transversal a setores, dimensão e geografia. As organizações que se conseguiram ajustar melhor ao impacto da pandemia foram as que apresentavam níveis de digitalização mais elevados, o que prova que muitas organizações já estavam em pleno processo de transformação digital quando começou a pandemia.

A impressão e digitalização é uma das áreas em que muitas organizações já tinham iniciado processos de transformação. Para estas, a pandemia significou aceleração; para outras, colocou em causa a continuidade de negócio e significou mudanças drásticas.

A tendência já vinha de trás, com as organizações a reduzir o número de impressões de documentos e aumentar a digitalização devido à maior disponibilidade de conteúdos digitais, políticas mais restritivas de controlo de custos ou maiores preocupações ambientais.

Com a pandemia e os novos modelos de trabalho remoto, a partilha em formato físico já não era uma opção: o acesso a equipamentos de impressão era mais limitado e a circulação física do papel não era possível face ao confinamento. Esta alteração impactou de forma muito significativa parceiros fornecedores de impressão em Managed Print Services e Pay as You Go, com receitas indexadas a volumes de impressão.

Estudos mostram que modelos híbridos de trabalho, mais flexíveis, deverão ser predominantes no mundo pós-pandemia. 73% dos colaboradores, inquiridos no estudo “The Next Great Disruption is Hybrid Work – Are you Ready?”, querem a continuação de modelos remotos. E 92% dos líderes portugueses preveem permanência da flexibilidade no trabalho no pós-pandemia, de acordo com o estudo “Staying Competitive in a Hybrid World”.

As organizações terão de adotar modelos mais resilientes, necessariamente mais digitalizados, com espaços de escritórios adaptados, e soluções que tirem partido de tecnologias contactless ou realidade aumentada e/ou virtual.

Para tal, as organizações necessitam de parceiros especializados que dominem as dimensões e tecnologias críticas para a sua correta implementação. Por um lado, vimos muitos parceiros tradicionais de impressão a avançar para o computing e para as soluções de workplace e colaboração, trabalhando com as suas bases de clientes instaladas. Isto exigiu o desenvolvimento de novos skills de vendas e implementação, com soluções virtualizadas em cloud computing, por exemplo.

Por outro lado, integradores de sistemas viram uma oportunidade de negócio, através de propostas de valor de digitalização, classificação, processamento, disseminação e colaboração. A aposta em soluções de workflow integradas, potenciadas por inteligência artificial e Robotic Process Automation, permitem não só reduzir a pegada de carbono das organizações, como também potenciar uma maior eficiência do escritório e maior segurança no manuseamento e privacidade dos dados, especialmente em modelos de trabalho híbrido em que o colaborador decide o local de onde trabalha.

A capacidade de apresentar soluções aos clientes que esbatam o plano físico/virtual permitindo, de forma económica, uma maior flexibilidade de forma de trabalho, garantindo a universalidade de acesso aos colaboradores e que mantenham, para as empresas que o valorizem, uma dimensão de sustentabilidade e segurança, vai determinar o sucesso dos parceiros e dos clientes.

A capacidade de inovação das soluções tem também que levar em conta o enquadramento legal do país e de cada setor, seja para assinaturas digitais ou alteração de procedimentos para o papel ser opcional.

A conjugação destes fatores permitirá ao ecossistema de parceiros contribuir de forma decisiva para a transformação das organizações em Portugal, potenciando uma maior digitalização da economia, uma maior resiliência das nossas empresas e uma maior vantagem competitiva para o país no pós-pandemia.

Recomendado pelos leitores

Employer branding: atrair talentos e promover a sua empresa no processo
OPINIÃO

Employer branding: atrair talentos e promover a sua empresa no processo

LER MAIS

O lanterna vermelha
OPINIÃO

O lanterna vermelha

LER MAIS

Disrupções nas cadeias de valor podem custar 920 milhões de euros ao PIB europeu
OPINIÃO

Disrupções nas cadeias de valor podem custar 920 milhões de euros ao PIB europeu

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 88 JUNHO 2022

IT CHANNEL Nº 88 JUNHO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.