2019-11-09

NEGÓCIOS

Trabalhadores querem melhor equilíbrio entre vida pessoal e profissional

O estudo Future of Work da Ricoh revela que 65% dos inquiridos esperam que as empresas contribuam positivamente para os problemas sociais, como as alterações climáticas e a desigualdade

O mundo do trabalho está a mudar e as exigências dos profissionais também. Os colaboradores esperam cada vez mais que os seus empregadores contribuam positivamente para os problemas sociais, conforme revela o novo relatório publicado pela Ricoh Europa. O estudo Future of Work, realizado pela Arup, explora como a tecnologia ajudará a melhorar os nossos negócios e o papel central que a colaboração e a sustentabilidade está a adquirir nas empresas.

Uma das principais conclusões deste estudo é que os colaboradores acreditam que as empresas são responsáveis por utilizar a tecnologia como motor para uma mudança positiva não só no âmbito laboral, mas também em outros temas atuais. A pesquisa, à qual responderam três mil trabalhadores a nível europeu, revela que três em cada quatro inquiridos (74%) consideram que à medida que a automatização de tarefas ganha terreno, os profissionais devem ter um maior equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Além disso, cerca de 63% dos colaboradores querem que as empresas aproveitem os benefícios da tecnologia de automação para reinvestir nas pessoas e na comunidade.

Dois terços dos inquiridos (65%) esperam cada vez mais que as empresas contribuam positivamente para os problemas sociais, como as alterações climáticas e a desigualdade. Além disso, 28% aceitaria um salário 10% inferior para trabalhar numa empresa comprometida com os problemas sociais. No entanto, a maioria dos colaboradores mostra-se cética em relação às intenções das empresas. 65% teme que as empresas usem a automatização para aumentar os lucros e diminuir os postos de trabalho. No entanto, o facto é que a tecnologia já está a libertar os trabalhadores de tarefas repetitivas, para que estes possam concentrar-se num trabalho mais valioso e satisfatório, que permita às empresas reinvestir em contribuições mais positivas para a sociedade.

Rámon Martin, CEO da Ricoh Portugal e Espanha, declara que “existe uma ampla gama de tecnologias que mudarão a nossa forma de trabalhar nos próximos dez anos, como a digitalização para a cloud, a inteligência artificial, a realidade mista e a robótica. As empresas devem tomar decisões inteligentes e adotar a tecnologia que permita aos trabalhadores investir o seu tempo em tarefas cognitivas de valor acrescentado, que não podem ser realizadas por nenhuma máquina. As pessoas são insubstituíveis em qualquer organização”.

Sobre o papel da colaboração e da sustentabilidade nas empresas, Rámon Martin considera que “devem estar no centro de qualquer empresa. Os grandes problemas com os quais a sociedade moderna lida não podem ser deixados nas mãos dos governos ou das organizações sem fins lucrativos. As pessoas esperam que as organizações dêem o exemplo e façam contribuições mais positivas para as comunidades em que operam. As empresas que colocam os benefícios da tecnologia ao serviço da comunidade prosperarão e atrairão os melhores talentos. Portanto, na Ricoh, alinhamos os nossos negócios aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU”.

Recomendado pelos leitores

Bizdirect implementa Modern Workplace da Microsoft na Gallo Worldwide
NEGÓCIOS

Bizdirect implementa Modern Workplace da Microsoft na Gallo Worldwide

LER MAIS

Xerox faz proposta de aquisição pela HP
NEGÓCIOS

Xerox faz proposta de aquisição pela HP

LER MAIS

Microsoft celebra contrato de 10 mil milhões de dólares com o Pentágono
NEGÓCIOS

Microsoft celebra contrato de 10 mil milhões de dólares com o Pentágono

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 62 NOVEMBRO 2019

IT CHANNEL Nº 62 NOVEMBRO 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.