Jorge Bento, Diretor do IT Channel e publisher na MediaNext em 2020-9-25

OPINIÃO

Do Editor

Porque voltar ao Velho Normal pode ser uma má ideia?

Tentar reconstruir o velho normal, agora simplesmente higienizado, pode revelar-se fatal para as empresas

Não entender que a pandemia mudou o paradigma para sempre é como nadar contra a corrente.

O novo normal é muito diferente do que o que deixámos para trás em março deste ano, e isso podem ser boas notícias.

Toda a atividade económica e social que conhecemos se baseia na centralização física de pessoas; no comércio, na educação, na religião, nos cuidados médicos, em grande parte do lazer, e no trabalho e produção também.

Sempre foi assim, e as várias vagas de industrialização só centralizaram ainda mais o que sobrava de humanos dispersos.

Em março, mandaram-nos para casa e a economia ruiu.

Sem possibilidade de centralizar fisicamente pessoas em torno das atividades, muitas simplesmente desapareceram.

A possibilidade de voltarmos ao modo de vida e de trabalho que tínhamos até fevereiro, agora higienizando e fazendo figas para que a medicina não demore muito a encontrar soluções, pode parecer atraente para muitas empresas.

Mas mesmo que possível, voltar ao velho normal é desejável?

Dificilmente podemos, agora, idolatrar aquilo que sabíamos que já estava condenado: o velho normal não é sustentável, não é ecologicamente viável, pode ser insuportavelmente stressante para os trabalhadores nas grandes cidades, mobiliza espaços físicos usados em apenas 20% do tempo total anual, é pouco criativo, rouba a liberdade sobre o nosso tempo disponível e ignora todos os avanços tecnológicos das últimas décadas.

A tecnologia desenvolvida nas últimas três décadas é, pelo contrário, descentralizadora, mas a maioria das empresas e dos negócios não se apercebeu disso até ao aparecimento da COVID-19.

A Internet era só mais uma utility disponível dentro do espaço físico da empresa – conveniente, mas só mais uma ferramenta.

Digitalizar não significa o mesmo que transformar, digitalizar é só fazer o mesmo de forma mais rápida e mais barata. Transformar usando o digital, é reinventar os negócios para uma nova realidade muito mais descentralizada.

Então a pergunta que todos nós devemos colocar é: queremos voltar a fazer o mesmo e da mesma velha forma?

Se não quisermos dar agora essa resposta, os nossos ativos mais talentosos e a nossa concorrência, parte da qual até nunca tínhamos ouvido falar antes, vão dar a resposta por nós e então pode ser tarde para reagir.

Em busca de um novo normal

Este livro ainda não foi escrito e, em parte, temos de nos socorrer do que era o nosso conhecimento pré-pandémico e da nossa recente experiência durante esta pandemia, e este ponto vai determinar como iremos reagir.

As empresas que se estão a reinventar num modelo mais descentralizado suportadas por tecnologia e que se mantêm “acima da água”, não vão desperdiçar cada grão da aprendizagem forçada de gestão e dos investimentos que fizeram, e provavelmente vão aproveitar o melhor dos dois mundos; algumas vantagens das equipas terem vivências físicas em comum, algum do contacto direto com clientes e Parceiros, que é parte importante do modo de sermos humanos.

Vão ensaiar um mundo híbrido, entre a ancestral centralidade e a nova vivência digital descentralizada.

Para as empresas que apenas fizeram “pause” e esperam que tudo volte ao antigamente, há três más noticias: a incógnita da resolução sanitária da atual pandemia (foram já temporariamente suspensos testes em fase 3), o recente aviso da OMS que esta não é seguramente a última pandemia (essa probabilidade é hoje considerada muito mais alta pelos cientistas), e por último, a ameaça da concorrência mais ágil, que já está em processo de transformação e não vai esperar por si.

Claro que o caminho de descentralizar fisicamente as nossas atividades tem riscos: entre os gestores que já hoje afirmam que o voluntarismo inicial dos colaboradores descentralizados está a desaparecer – substituído por uma menor produtividade e algum laxismo – e o alerta de outros que a cultura empresarial e a coesão das equipas pode começar a deslaçar nos próximos meses, são a prova de que é preciso encontrar equilíbrios entre o novo e o tradicional.

O espaço centralizado a que chamamos escritório não irá simplesmente desaparecer, mas caminhará seguramente para um espaço aberto de colaboração, de cimentação de equipas, de inspiração, entreajuda e aprendizagem, e não um conjunto taylorista de postos de produção no “chão da fábrica”.

Se as melhores tecnologias digitais nos permitem, pela primeira vez na História, sermos produtivos descentralizadamente, móveis e adaptáveis, vamos aproveitar o momentum e reinventar em conjunto o nosso futuro.

Recomendado pelos leitores

As vantagens do modelo de negócio MSSP
OPINIÃO

As vantagens do modelo de negócio MSSP

LER MAIS

E-commerce na Europa: nas luzes de uma ribalta onde todos os ip interessam
OPINIÃO

E-commerce na Europa: nas luzes de uma ribalta onde todos os ip interessam

LER MAIS

Desafios do CIO
OPINIÃO

Desafios do CIO

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 71 OUTUBRO 2020

IT CHANNEL Nº 71 OUTUBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.