Sérgio Azevedo, Managing Partner da Streamroad Consulting em 2021-5-18

OPINIÃO

Marketing & Vendas

Já alimentou o seu pipeline hoje?

Não existe uma fórmula mágica para obter melhores resultados em vendas. Mas, se há algo que não pode ser negligenciado, é sem dúvida a forma como as empresas gerem e alimentam o seu pipeline comercial, sobretudo em momentos de crise

A conjuntura atual tende a não ser propícia ao fecho de novos negócios, porque as empresas vivem atualmente num clima de incerteza e a tendência natural vai no sentido de adiar projetos, o que afeta inevitavelmente o negócio.

Momentos de instabilidade económica são sempre assim. Por não se saber como será o dia de amanhã, muitos clientes poupam os seus recursos, evitam investir e deixam de adquirir produtos e serviços como antes.

Na verdade, já estamos hoje a assistir ao cancelamento ou adiamento (por vezes sine die) de projetos com alguma envergadura, sobretudo no sector das PME - não falo das grandes empresas e da Administração Pública, que têm sempre projetos ongoing. Isto porque, como é evidente, as organizações com uma maior capacidade financeira têm mais resiliência face aos contextos económicos adversos e, naturalmente, uma maior capacidade de investimento.

Mas não nos podemos esquecer que o nosso tecido empresarial é maioritariamente composto por PME, o que significa uma tendência para investir mais no curto prazo e menos nos médio/longo prazo.

Não obstante tudo isto, o nosso setor das TIC acaba por ser um pouco privilegiado, dado o movimento global no sentido da transformação digital das empresas, obrigadas assim a olhar para as tecnologias de uma forma diferente. Mas isto não significa automaticamente o fecho de negócios, apesar das oportunidades que a transformação digital pode eventualmente gerar.

Mas uma vez que existe a oportunidade, independentemente de haver fecho de negócio ou não, devemos e podemos posicionar-nos de forma a que, quando a tempestade passar, estarmos na dianteira dessa recuperação.

Isto significa que, mesmo não sendo fácil vender em tempos de crise, devemos aproveitar o momento para identificar e qualificar uma lista de oportunidades para o futuro. É, por isso, a altura ideal para identificar oportunidades e necessidades, estabelecer e nutrir relações com decisores, para, no momento certo, estarmos melhor posicionados que a nossa concorrência para o fecho dos negócios futuros.

O erro do desinvestimento em marketing

Como há menos negócio, as empresas têm uma tendência inata para desinvestir em atividades de marketing e de prospeção de vendas. Esse é um erro crasso, de ineficácia mais do que comprovada em crises passadas.

É preciso, pelo contrário, identificar todos os negócios que estavam em standby e qualificar o pipeline, porque quando o mercado voltar a “abrir”, quem o tiver feito é o primeiro a faturar e a vender. Quero com isto dizer que, das duas uma: ou as equipas comerciais têm que estar muito enfocadas e com a mesma dinâmica pré-crise, ou a empresa deve ter a clarividência de perceber que o melhor é subcontratar providers capazes de desenvolver ações de procura de oportunidades de negócio, ou demand generation. Não optar por nenhum destes caminhos é fracasso garantido.

Aliada a estratégias de marketing sólidas e ferramentas como marketing automation, a gestão adequada do pipeline aumenta quer as taxas de conversão de oportunidades em vendas, quer o desempenho geral em cada etapa do processo.

Nesse sentido, apostar em estratégias que promovam a eficiência do setor comercial é fundamental para qualquer empresa que queira crescer no mercado e garantir a conquista de novos clientes.

Chegados aqui, temos as oportunidades identificadas, as necessidades definidas, a relação criada e a solução a implementar – ou seja, todos os componentes necessários para vingar no negócio, sobretudo em alturas desafiantes como a que vivemos hoje.

No fundo, ter um pipeline bem alimentado significa estarmos preparados para o pior, trabalhando para conseguir o melhor.

Recomendado pelos leitores

O lanterna vermelha
OPINIÃO

O lanterna vermelha

LER MAIS

Disrupções nas cadeias de valor podem custar 920 milhões de euros ao PIB europeu
OPINIÃO

Disrupções nas cadeias de valor podem custar 920 milhões de euros ao PIB europeu

LER MAIS

Uma fábrica longe de mais
OPINIÃO

Uma fábrica longe de mais

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 88 JUNHO 2022

IT CHANNEL Nº 88 JUNHO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.