Sérgio Azevedo, Managing Director da Streamroad Consulting em 2021-2-18

OPINIÃO

Marketing & Vendas

As pessoas são o futuro das nossas empresas

Ao longo dos vários artigos tenho abordado muitos temas de importância para o marketing e vendas, mas apercebo-me que nunca falei daquilo que é realmente o mais importante: as pessoas

Creio que é indisputável que as pessoas são o maior ativo de qualquer empresa e nos departamentos vendas e marketing este facto é ainda mais evidente, porque, afinal, são os profissionais destas áreas o veículo de ligação entre os produtos, soluções e serviços que a empresa oferece aos seus clientes.

Ou seja, são eles que transportam as ideias de marketing e as ofertas comerciais aos clientes, o que, naturalmente, conduz aos resultados pretendidos: o aumento das receitas e da penetração no mercado. A sua principal função é aumentar as vendas de uma marca ou empresa com o uso dos seus conhecimentos e desenvolvimento de estratégias para atrair e reter o cliente.

Estes profissionais são criativos, focados, comunicativos e, principalmente, estrategas: sempre de olho nas novas tendências da área, acompanham minuciosamente as mudanças no mercado para melhorar a estratégia de vendas da empresa.

E por isso todo o tempo que dediquemos à gestão, formação e acompanhamento das nossas equipas de marketing e vendas é sempre bem investido, porque quanto mais o fizermos, mais as transformamos em equipas de alto desempenho. Falo de equipas com características valiosas: são altamente produtivas e motivadas, contam com grande capacidade de execução e know-how acima da média, e possuem um conhecimento sobre a organização que lhes permite desenvolver com sucesso a sua estratégia.

Promover o bem-estar em tempos de crise

Embora seja evidente, pelo que foquei anteriormente, que o capital humano é o ativo mais importante das empresas, a verdade é que, nos últimos tempos, muitos profissionais viram-se perante o desafio de ter que conciliar a sua vida profissional e familiar, bem como de enfrentar as consequências do confinamento, o stress e o caos geral que a pandemia produziu a todos os níveis.

As empresas devem, como tal, ter em conta esta nova realidade, adaptando-se e comprometendo- se com os seus colaboradores, trabalhando em políticas de inclusão, bem-estar e diversidade que possam amenizar essa situação e favorecer a produtividade e o bem-estar das suas equipas. Os desafios que esta crise gerou evidenciam, de facto, a importância de uma resposta por parte das empresas, em diferentes frentes, às necessidades dos seus profissionais.

A ansiedade e a incerteza nas equipas, sobretudo as mais críticas para a sustentabilidade das empresas – como é o caso do marketing e principalmente das vendas - podem ser reduzidas através de um plano de execução correto da área de recursos humanos, que deve incluir uma metodologia que compreenda plenamente as necessidades dos diferentes grupos e ajude o profissional a conciliar da melhor forma o seu trabalho, as suas responsabilidades pessoais e familiares.

Quem não tem isto em mente, quem não está atento às necessidades das pessoas que trabalham consigo, não só cria ambientes de hostilidade no trabalho, como faz com que a sua empresa não cresça. Podem ter as maiores ferramentas, ser extremamente criativas e até avançadas do ponto de vista tecnológico, mas sem pessoas motivadas, reconhecidas e produtivas, o negócio não prospera.

Isto porque quando a empresa valoriza o indivíduo, proporcionando um ambiente saudável, distante da rotatividade que amedronta e gera incerteza, a produtividade é maior e a qualidade dos produtos e serviços é melhor. E uma maior produtividade e melhor qualidade dos produtos e serviços conduz a um nível mais elevado na satisfação dos clientes.

Em resumo

O que têm as empresas em dificuldade, independentemente do seu setor e natureza, em comum? Vivem geralmente num ambiente onde prolifera a angústia e a ansiedade, o stress e a improdutividade, a perda de tempo e de foco. Nenhum destes problemas surge do nada. Pelo contrário, todos começam na forma de falta de reconhecimento, motivação e sinergia, com ruídos na comunicação e com gestores desintegrados das suas equipas.

Estes fatores têm um impacto direto nos resultados e são fruto da falta de preparação dos líderes da empresa em gerar relações humanas, tanto entre si como até por vezes com os seus próprios clientes. Vivemos tempos turbulentos e devemos estar à altura da situação - não nos esqueçamos que as pessoas são o presente e o futuro das nossas empresas!

Recomendado pelos leitores

O lanterna vermelha
OPINIÃO

O lanterna vermelha

LER MAIS

Disrupções nas cadeias de valor podem custar 920 milhões de euros ao PIB europeu
OPINIÃO

Disrupções nas cadeias de valor podem custar 920 milhões de euros ao PIB europeu

LER MAIS

Uma fábrica longe de mais
OPINIÃO

Uma fábrica longe de mais

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 88 JUNHO 2022

IT CHANNEL Nº 88 JUNHO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.