2020-9-28

SEGURANÇA

Advertorial

O Grande Choque Digital: Adaptar a um Novo Normal na Cibersegurança

A pandemia COVID-19 foi um choque para os nossos sistemas

Obrigou sociedades, governos, empresas e indivíduos a repensar abruptamente práticas e processos de longa data - incluindo em áreas básicas de como e onde trabalhamos, ensinamos, aprendemos, vivemos e interagimos.

O mundo digital tem estado na frente e no centro da absorção e mitigação das ondas de choque. As tecnologias digitais permitiram que as organizações mudassem rapidamente para os modelos de trabalho em casa e foram cruciais em respostas nos diversos sectores de mercado. Muitas das mudanças provavelmente vão estar connosco num futuro próximo, criando um “novo normal”.

Vamo-nos preparar para uma longa jornada de trabalho remoto e todos os desafios de segurança que daí advenham. O novo normal no trabalho está a precipitar um novo normal na cibersegurança.

Como sempre, os hackers são oportunistas e os primeiros a adotar a exploração de novas vulnerabilidades no comportamento humano e na tecnologia. Então, o que pode ser feito?

As organizações estão a tentar rapidamente adaptar o IT ao novo normal. Para uma pequena / média empresa, significa expandir a sua rede existente e a segurança do endpoint para uma força de trabalho remota que cresceu de 30% para cerca de 90%.

Ao mesmo tempo, de acordo com a última pesquisa com CEOs das Fortune 500, mais de 75% dos CEOs disseram que o COVID-19 vai acelerar a transformação digital e introduzir novas tecnologias. Mais pressão sobre as equipas de IT e de desenvolvimento para fornecer digitalização resultará em mais bugs e vulnerabilidades e a uma maior exposição aos ataques.

A era das plataformas 

As organizações tendem a abordar a cibersegurança de forma isolada e orientada a eventos específicos. Como resultado, frequentemente vemos ambientes de tecnologia altamente fragmentados: dezenas de controlos de segurança não integrados em ambientes de networking, endpoint e server, e mais recentemente, cloud. Aplicar o mais alto nível de defesa em todos os lugares por produtos pontuais é o principal inibidor para automação, velocidade e agilidade – os três fatores que mais contam quando se trata de competição no mundo digital. Para se conseguir isso, as plataformas de cibersegurança adotam uma abordagem que segue os seguintes princípios fundamentais:

• Um amplo portfólio de sensores e capacidades de controlo transversal a todos os ambientes tecnológicos (networking, endpoint, datacenter, cloud, IoT, etc);

• Capacidades de Deteção e Resposta integradas;

• Estrutura de políticas centralizadas e focadas na identidade;

• Cloud Delivery

Os benefícios de uma plataforma são óbvios: o tempo para proteger as tecnologias é drasticamente mais rápido, a velocidade de resposta a incidentes é menor e o custo de uma plataforma costuma ser metade do custo de um ambiente fragmentado.

Resposta a incidentes remotamente

Como todos nós, as equipas de IT e Cibersegurança também devem ter capacidade de trabalhar remotamente e oferecer suporte a uma ampla gama de utilizadores em muitos dispositivos e locais. Por exemplo, se uma máquina na casa de um colaborador está infectada com malware, o playbook “normal antigo” seria isolá-la ou reinstalar o SO ou receber o hardware para análise.

Hoje a questão é: uma organização tem a capacidade de fazer esse tipo de intervenção remotamente? O acesso remoto faz parte da cultura corporativa? As equipas de IT podem identificar possíveis ameaças e violações por meio de análise remota?

Prepare-se: o novo normal veio para ficar. Isso terá um forte impacto sobre como protegemos os nossos dados e ativos num mundo cada vez mais digital, o que significa que haverá uma nova normalidade também na cibersegurança.

A Palo Alto Networks como Partner Security Advisor e líder mundial em Cibersegurança está numa excelente posição para ajudar os seus clientes a atingir estes objetivos em todos os seus vetores de uma forma integrada, consistente e automática através das suas plataformas: - Prisma Access para visibilidade, controlo e proteção dos utilizadores e escritórios remotos; - Prisma Cloud para a visibilidade, controlo e proteção dos ambientes cloud e containers e; - Cortex para a prevenção, deteção, investigação e automação de eventos e incidentes de segurança. 

 

Conteúdo co-produzido pela MediaNext e pela Palo Alto Networks

Recomendado pelos leitores

Kaspersky reorienta a sua estratégia de produto
SEGURANÇA

Kaspersky reorienta a sua estratégia de produto

LER MAIS

WatchGuard aumenta ecossistema de Parceios em mais de 50%
SEGURANÇA

WatchGuard aumenta ecossistema de Parceios em mais de 50%

LER MAIS

British Airways recebe multa de 20 milhões de libras por data breach
SEGURANÇA

British Airways recebe multa de 20 milhões de libras por data breach

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 71 OUTUBRO 2020

IT CHANNEL Nº 71 OUTUBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.