2018-5-18

SEGURANÇA

Governo e Microsoft assinam acordo de cooperação em cibersegurança

A Microsoft Portugal organizou ontem um evento conjunto, com o Gabinete Nacional de Segurança, no Forte de São Julião da Barra, em Oeiras, com o objetivo de criar um ecossistema de ciberespaço mais seguro e o reforço de políticas públicas de segurança em Portugal.

Carlos Joaquim Rodrigues, presidente IGFEJ (MJ; Comandante Fialho Jesus, diretor do Centro de Ciberdefesa; Almirante Gameiro Marques, GNS/PCM; Maria Manuel Leitão Marques, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa; Mário Duarte, MNE; Francisco Gomes, MAI; e Paula Panara, diretora-geral da Microsoft Portugal.

No âmbito do evento foi assinado um acordo de intenções entre a Microsoft Portugal e o Gabinete Nacional de Segurança, para a cooperação na área de cibersegurança.

O evento contou com a presença de Maria Manuel Leitão Marques, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, António Gameiro Marques, diretor-geral do Gabinete Nacional de Segurança, e da diretora-geral da Microsoft Portugal, Paula Panarra.

A Microsoft Portugal assinou também, com a Polícia Judiciária, um memorando de Entendimento, que permite a disponibilização da tecnologia Photo DNA, da Microsoft, para reforço das competências de investigação da Polícia Judiciária. A ferramenta permite a identificação unívoca de imagens e a sua eliminação da web, sendo utilizado maioritariamente na prevenção e combate a crimes de exploração/pornografia infantil.

Em 2017, a tecnologia PhotoDNA esteve na base da criação de 9 milhões de CyberTipline Reports disponibilizados ao Centro Nacional de Crianças Desaparecidas e Exploradas dos EUA. O PhotoDNA permitiu a criação de um ecossistema de tecnologias partilháveis e standardizadas, desenvolvidas com o propósito de combater crimes que envolvam quantidades massivas de imagens e vídeos.

Para Paula Panarra, diretora-geral da Microsoft Portugal, “à semelhança de outras áreas, também a investigação forense e o combate ao cibercrime estão a ser impactados positivamente pela digitalização, nomeadamente por via do recurso a inteligência artificial e à capacidade de computação em cloud, permitindo reforçar a capacidade operacional das forças de segurança”.

"A conjugação de esforços entre entidades públicas e privadas permite ao Estado português estar mais próximo do que melhor se faz a nível mundial nesta área, tendo, desta forma, acesso a informação privilegiada, que permitirá a diminuição significativa do tempo de deteção e reação a ameaças de cibersegurança", indicou António Gameiro Marques, diretor-geral do Gabinete Nacional de Segurança.

Recomendado pelos leitores

As sete principais tendências de segurança e gestão de risco para 2019
SEGURANÇA

As sete principais tendências de segurança e gestão de risco para 2019

LER MAIS

Check Point encontra vulnerabilidades em clientes RDP
SEGURANÇA

Check Point encontra vulnerabilidades em clientes RDP

LER MAIS

Quantinfor lança novo módulo de cibersegurança
SEGURANÇA

Quantinfor lança novo módulo de cibersegurança

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 55 Março 2019

IT CHANNEL Nº 55 Março 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.