2016-6-23

OPINIÃO

A informação nos confins da Internet

Em quase todas as indústrias, os dados estão a ser criados onde nunca antes tinha sido. Mas os dados em si não são o problema; os dados conectados é que o são.

Estes Phocaeans foram os primeiros dos Helenos a fazer longas viagens, e foram eles que descobriram o Adrático e Tirsénia e a Ibéria e Tartessos: e fizeram viagens não em barcos redondos, mas em navios de cinquenta remos.

Heródoto, As Histórias

Milhares de milhão de dispositivos interligados capturam vastas quantidades de dados em tempo real sobre o mundo físico. Em anos recentes, a computação na cloud ofereceu às empresas uma forma poderosa de armazenar esses dados e de transformá-los em informação com valor. Mas para áreas de atividade sem um acesso fácil a conectividade de banda larga, estas capacidades estão, por vezes, fora de alcance ou têm uma latência demasiado elevada, que limita o seu uso potencial.

A Cisco e a IBM anunciaram, em junho, uma colaboração global para proporcionar capacidades de criação de conhecimento baseadas na Internet das Coisas (IoT) na periferia da rede. Empresas e organizações com operações em zonas remotas passam a poder ter acesso às capacidades analíticas da tecnologia Watson da IBM e à analítica de periferia da rede da Cisco, para melhor entender e atuar em dados críticos, num mais curto espaço de tempo. A nova aproximação está concebida para empresas que operam na periferia da rede, como plataformas petrolíferas companhias de navegação, e minas, onde o tempo de reação é muitas vezes fulcral, mas a largura de banda é escassa, num contexto que se começa a chamar “ambientes de dados híper-distribuídos.” A designação “ambientes de dados hiper-distribuídos” descreve os largos volumes de dados dentro do ambiente organizacional e a vasta gama de localizações em que os dados existem, isto é, a sua distribuição. Em quase todas as indústrias, os dados estão a ser criados onde nunca antes tinha sido. Mas os dados em si não são o problema; os dados conectados é que o são.

Torna-se cada vez mais complexo aceder a estes dados, securizá-los, obter conhecimento e torná-los passíveis de ação. Para ultrapassar estes desafios, as organizações necessitam juntar analítica de periferia à sua estratégia existente, analisando os dados mais perto da sua fonte, em vez de enviá-los para um local central para análise. Um dos casos de estudo de utilização conjunta apresentado por ambas as empresas é a da SilverHooks Powerboats, um fabricante de barcos de corrida de elevada velocidade, que se está a basear na analítica de periferia e na analítica de IoT para ajudar os pilotos a reagir imediatamente às condições do ambiente e dos motores, incluindo a necessidade de fazer “throtling” numa fração de segundo para, por exemplo, prevenir falhas nos sistemas dos barcos e otimizar o desempenho. Previamente, sem este conhecimento gerado instantaneamente a partir dos dados críticos, o resultado poderia ser desastroso.

Com base numa relação de longa data entre a IBM e a Cisco, a solução será comercializada em conjunto por ambas as empresas e incluirá as capacidades da plataforma Watson IoT e da analítica de periferia da Cisco. Isto permitirá que a analítica em tempo real seja executada na periferia da rede, e que os dados sejam recolhidos para análise posterior na cloud. Tendemos a tomar como garantida a conectividade universal, a elevada largura de banda com baixa latência disponível em qualquer ponto.

Mas se essa é uma realidade em zonas urbanas, não o é nas zonas rurais, marítimas ou florestais. Imagina-se o potencial desta vertente combinada de IoT e analítica cognitiva nas áreas da vigilância e proteção patrimonial, para não falar nas da defesa. Esta aliança é um passo importante para levar a Internet das Coisas aos pontos onde, precisamente, não existe Internet como a entendemos.

O que, em boa verdade, é a realidade na maior parte do mundo.

Henrique Carreiro é docente nas áreas de Cloud Computing e Mobilidade Empresarial na Nova Information Management School.

TAGS

cloud IoT dados

Recomendado pelos leitores

Funções como Serviços: a ascensão de “serverless computing”
OPINIÃO

Funções como Serviços: a ascensão de “serverless computing”

LER MAIS

Uma nuvem na mesa
OPINIÃO

Uma nuvem na mesa

LER MAIS

IT CHANNEL Nº 35 março 2017

IT CHANNEL Nº 35 março 2017

VER EDIÇÕES ANTERIORES