2016-3-15

ENTREVISTA

“Queremos que a Alcatel-Lucent Enterprise seja vista como uma empresa de serviços”

A ALE, empresa que opera com a marca Alcatel-Lucent Enterprise, tem uma nova estratégia e posicionamento para o mercado, mais afastada do hardware e mais próxima do modelo as-a-service, da cloud e da mobilidade, tanto em voz como em dados

Marco Pasculli, VP Channel Sales SEMEA, e Jean-Clovis Pichon, iretor-geral para Espanha e Portugal da ALE.

Os Parceiros têm um papel determinante nesta nova abordagem ao mercado, e a ALE pretende estar ao seu lado na co- -criação de valor, palavra-chave em toda esta transformação. Num evento cem por cento dirigido ao Canal, onde marcaram presença mais de 90 Parceiros, a empresa deixou uma mensagem clara: o mercado solicita flexibilidade e novos modelos de aquisição da tecnologia, centrados no pay as you go, que o Canal não deve ter receio de endereçar.
Esta evolução do modelo de negócio da ALE abrange comunicações e redes, com nova oferta de switching, para data center, SMB, ambientes sujeitos a intempéries e mobile campus. Em comunicações, a empresa conta agora com uma oferta na cloud, o Rainbow, que chega no segundo trimestre de 2016 – em 2017 a ALE pretende desenvolver serviços em modelo subscrição, alavancando ainda a solução OpenTouch Cloud, lançada em 2014.
O IT Channel aproveitou a ocasião para conversar em exclusivo com Jean-Clovis Pichon, diretor-geral para Espanha e Portugal, e Marco Pasculli, VP Channel
Sales SEMEA.
 
IT Channel – A ALE é, agora, um fornecedor de soluções?
Jean-Clovis Pichon (JCP) – Já há alguns anos que endereçamos as soluções, ao invés de disponibilizarmos apenas hardware. É verdade que não pretendemos vender tecnologia por tecnologia, porque isso nada significa. Esta tecnologia está a trazer resultados de negócio e os resultados são os nossos drivers. O que é muito específico na Alcatel-Lucent Enterprise é o facto de querermos co-criar valor com
os nossos Parceiros, para adicionar aos resultados do negócio. Essa é a nossa missão. É mais fácil concretizá-lo do que dizê-lo, no entanto. Pretendemos ir mais longe e queremos ser vistos como uma empresa de serviços. Não para competir com os nossos Parceiros, mas para os complementar, antes de mais.
 
Marco Pasculli (MP) – Dentro das soluções, temos de considerar mais o que os clientes finais pretendem, para lá das terminologias comuns, como a poupança de custos e o aumento da eficiência. Estamos a entrar numa nova era, na qual os clientes estão à procura de resultados de negócio e entregar uma experiência diferente aos seus próprios clientes, porque têm cada vez mais e concorrência e precisam
diferenciar-se. Por este motivo, criámos a primeira solução conjunta específica para o mercado da hospitalidade e em breve lançaremos uma segunda, para o mercado da saúde. Ambas com o objetivo de melhorar os business outcomes e a experiência
do cliente.
 
Qual o papel dos Parceiros de Canal nesta nova estratégia?
JCP – Endereçamos o mercado de forma cem por cento indireta. Temos uma ampla variedade de Parceiros de Canal, desde integradores a service providers. Os nossos Parceiros têm diferentes skills e endereçam diferentes segmentos do mercado
nos quais queremos estar. A transformação que estamos a viver, tanto nas
comunicações como nas redes, não é fácil, porque já não se comercializa CAPEX,
comercializa-se OPEX. É uma forma diferente de vender e um ciclo de venda
também diferente. Isto significa que os Parceiros já não podem vender com os mesmos argumentos e linguagem do passado. É agora muito mais importante
comunicar qual será a experiência do end user, ao invés da arquitetura, que era muito mais importante no passado, quando se comercializavam PBX.
O hardware não vai desaparecer, mas é importante que haja uma abordagem diferente. Já não é possível vender, instalar e ir embora. Os Parceiros têm de garantir que o serviço que entregam é utilizado.
 
MP – Como consequência desta grande mudança, estamos a mudar o nosso relacionamento com os Parceiros. O programa de Canal (Enterprise Partner Program) está sob reformulação porque temos que adaptar-nos a ambientes em mudança. A ALE permite aos seus Parceiros segmentarem a sua oferta com base nas seguintes categorias: Soluções, Novos Modelos de Negócio (OPEX) e Mercados Verticais. O programa para os Parceiros será muito mais segmentado e sofisticado, mais ao encontro do que pretendem os clientes finais, que devem conseguir encontrar facilmente o Parceiro mais indicado para o seu negócio. Não um fornecedor genérico de PBX ou redes. Apresentámos recentemente o Value 4 Partner, projeto que nos vai permitir transformar o relacionamento com o Canal.
 
A ALE está à procura de novos Parceiros?
MP – Sim, porque graças à variedade do nosso portfólio, que será ampliado e verticalizado, teremos de encontrar, dentro da nossa comunidade de Parceiros, ou fora dela, empresas que enderecem necessidades específicas.
 
JCP – Preferimos ser seletivos. Daí que tenhamos optado por um modelo de dois Tiers, que nos dá capilaridade. A nossa comunidade de Parceiros é bastante fiel, não apenas porque temos bons produtos, mas pela forma como nos relacionamos com eles e protegemos o seu negócio.
 
Ainda há Parceiros que receiam estes novos modelos de negócio. Como pretendem ajudá-los a perceber as possibilidades que os novos modelos de negócio, baseados na cloud e na subscrição, não são uma ameaça ao seu negócio?
MP - Algum do nosso Canal está preocupado com o “cloud effect” e o seu modelo de consumo. Têm sobretudo receio de perder o benefício do CAPEX, porque querem receber um valor total agora, e não mensalmente. Também porque sabem que este modelo de consumo implica a prestação de apoio aos seus clientes para assegurar a utilização de determinadas aplicações, porque quanto mais os clientes as
utilizarem mais pagam. Aos Parceiros, procuramos dizer-lhes que esta não é uma decisão da Alcatel-Lucent Enterprise, porque uma porção do mercado está a mover-se para este modelo. Não todo, porque ainda há espaço para uma abordagem CAPEX.
 
JCP – Acreditamos que os Parceiros de negócio podem mudar e que parte deles fará um caminho connosco, seja na cloud, na hospitalidade, em redes ou em SMB convergence. Vamos propor-lhes, com o novo programa de Canal, novas especializações, até porque acreditamos que a maioria deles poderá
encaixar-se nesta nossa evolução. O nosso papel é mostrar-lhes o caminho. Na realidade, o mercado não está a tornar-se cem por cento cloud. Mas sabemos que o valor de uma empresa está, cada vez mais, diretamente relacionado com a percentagem de negócio recorrente que consegue gerar.
 
Que percentagem do mercado ocupará a cloud?
JCP – É impossível dizer, mas temos o exemplo de Espanha, que está a fazer uma
rápida transição para a cloud. Em Espanha a cloud já é um negócio, não é algo que demonstremos numa reunião com os nossos Parceiros, porque já corresponde à realidade. No mercado espanhol, empresas de todas as dimensões, das menores às maiores, estão a fazer a transição. Acreditamos que a determinada altura isso irá acontecer em Portugal.
 
Quais as perspetivas de crescimento da ALE para 2016, em Portugal?
JCP – Pretendemos superar o crescimento de 2015, que foi de 14 por cento. Temos expetativas por parte de mercados como Angola, Moçambique e Cabo Verde, que estão incluídos no perímetro português. O negócio está a ser bem conduzido a partir de Portugal e isso levou a que decidíssemos agrupar estes países à geografia, o que foi bem recebido pelos Parceiros de negócio.
 
MP – Estamos a crescer em market share em soluções de dados e voz e nas componentes de LAN e WLAN, mais do que o próprio mercado.
 
Em termos de portfólio, qual será a grande aposta da Alcatel-Lucent Enterprise?
JCP – Historicamente temos estado muito presente no SMB e a convergência, nesta área, é muito importante para nós. Temos a oportunidade de ser um fabricante que se apresenta com muita força tanto em comunicações como em redes, e que possibilita umacompra integrada. Consideramos que este é um poderoso diferenciador. Neste mercado fazemos muito cross sell e up sell, com esta abordagem. Quando
estamos a fazer o branding do portfolio de comunicação podemos entregar redes e vice-versa.
 
MP – Os nossos Parceiros adoram porque temos uma solução para SMB, em redes, que não necessita de configuração e que é essencial para a instalação, porque quando configuram o sistema telefónico tudo funciona automaticamente, sem dashboard. Os switches estão automaticamente configurados. Pelo contrário, se recorrerem a outro fabricante, que fez a configuração no PBX e no switch, demoram
mais tempo. Num ambiente tão pequeno, como o do SMB, em que tipicamente há dois switches e um PBX, poupar quatro horas faz a diferença.
 
O que podem os Parceiros esperar do conceito de network on demand, que a ALE pretende introduzir no mercado?
MP – Está relacionada com a oferta em mobile campus, para redes de média dimensão. O conceito passa por disponibilizar uma solução para o mid market e baseia-se num acesso unificado, ou seja, num gestor comum para redes fixas e móveis.
 
JCP – Trata-se de uma nova forma de consumo para o cliente final, que estamos a propor aos nossos Parceiros, para que mudem o discurso para com os seus clientes. Para que não proponham o CAPEX, mas um modelo de puro consumo, que responda às necessidades de determinados negócios. É interessante em estádios e universidades, por exemplo. Propomos que o cliente pague por aquilo que utiliza, uma vez que o mercado pede flexibilidade. Isto impacta o aspeto financeiro, até para os Parceiros, porque o proprietário do equipamento é a ALE. O que estamos a vender é uma infraestrutura utilizada como umn serviço. É completamente novo e acreditamos que é diferenciador, porque conseguimos fazê-lo tanto em comunicações como em redes.

Recomendado pelos leitores

“A GTI quer criar uma maior proximidade ao Canal”
ENTREVISTA

“A GTI quer criar uma maior proximidade ao Canal”

LER MAIS

IT CHANNEL Nº41 Outubro de 2017

IT CHANNEL Nº41 Outubro de 2017

VER EDIÇÕES ANTERIORES